Preços recuam conforme furacão Ida enfraquece e Opep+ entra em foco

O petróleo Brent subia 0,13 dólar, ou 0,18%, a 72,83 dólares por barril, às 11:36 (horário de Brasília)

Os preços do petróleo recuavam nesta segunda-feira, após registrarem uma máxima de quatro semanas mais cedo na sessão, em meio a um enfraquecimento do furacão Ida que forçou o fechamento da produção da commodity no Golfo dos EUA, enquanto a Opep+ parece pronta para prosseguir com um aumento planejado de produção.

Em 12 horas após chegar à costa, a tempestade enfraqueceu e se transformou em um furacão de categoria 1. Quase toda a produção offshore de petróleo do Golfo, ou 1,74 milhão de barris por dia, foi suspensa antes do evento climático.

O petróleo Brent subia 0,13 dólar, ou 0,18%, a 72,83 dólares por barril, às 11:36 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,03 dólar, ou 0,04%, a 68,77 dólares por barril.

“O furacão Ida ditará a direção do petróleo no curto prazo”, disse Jeffrey Halley, analista de mercado sênior da OANDA. “Se Ida enfraquecer e seu caminho de destruição for menor do que o esperado, a alta do petróleo perderá momentaneamente o ímpeto aqui.”

Enquanto o petróleo caiu na expectativa de uma rápida recuperação do fornecimento, a gasolina dos EUA subiu quase 2%, já que as interrupções de energia aumentaram o fechamento de refinarias na costa do Golfo e os comerciantes pesaram a possibilidade de interrupções prolongadas.

O Brent se recuperou 40% este ano, apoiado por cortes de oferta pelo grupo formado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e por aliados, conhecido como Opep+, e alguma recuperação na demanda após colapso induzido pela pandemia no ano passado.

A Opep+ se reúne na quarta-feira para discutir um aumento programado de 400 mil barris por dia em sua produção de petróleo, no que seria mais uma flexibilização dos cortes recordes feitos no ano passado.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.