Preços recuam e usinas se retraem

Etanol deve fechar com preços em queda nas usinas esta semana, seguindo as distribuidoras (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

O dia foi de preços mais baixos no mercado físico paulista. Em Ribeirão Preto, o etanol hidratado caiu 0,6%, para R$ 3,6 o litro, enquanto o anidro recuou 0,8%, a R$ 3,6 o litro na mesma cidade.

Segundo o analista da consultoria Safras & Mercado, Maurício Muruci, muitas usinas até mesmo têm se retirado do mercado e evitado formar ofertas a níveis mais baixos de preços. “Têm se mostrado nas negociações apenas unidades que buscam formação de caixa no curto prazo antes que a última semana do mês seja alcançada e, com ela, a proximidade da semana de pagamentos, que usualmente tende a atrair maior presença vendedora no mercado”, disse ele.

Um breve alento foi a recuperação parcial do petróleo de US$ 69 para US$ 72 o barril. Ainda assim este nível se mostra abaixo ainda da máxima anterior em US$ 76 vista no mês passado. “Como os volumes efetivos da quebra ainda não foram estimados pelos técnicos do mercado, o suporte aos preços do etanol segue em suspenso no curto prazo”, assinalou Muruci.

Fonte: Canal Rural

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.