Pressão de preços deve se estender até fevereiro

Ainda que com menos ímpeto, a inflação não deve dar sossego para os brasileiros até fevereiro, segundo o próprio Banco Central (BC). O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro a fevereiro deve ficar em 1,47%, segundo estimativa da autoridade monetária divulgada ontem. É um ritmo que segue apontando para o IPCA acima da meta de 3,5% para o ano e que em 12 meses implica inflação de 9,9% no início do ano eleitoral. 

Vale lembrar que o BC subestimou o comportamento da inflação no último trimestre, com a chamada surpresa inflacionária ficando em 1,4 ponto porcentual acima do previsto para o período. Assim, entre setembro e novembro, período projetado no relatório anterior, o índice oficial de preços ficou em 3,4%. 

“A principal contribuição para a surpresa inflacionária no trimestre está relacionada ao preço dos combustíveis, refletindo piora de fatores condicionantes. O real se depreciou e os preços do petróleo e do etanol apresentaram forte elevação”, diz o documento. “As surpresas inflacionárias, todavia, foram disseminadas e estiveram presentes também nos componentes mais associados à inflação subjacente. Em particular, destaca-se a variação de preços dos bens industriais. Por fim, também merecem destaque a maior elevação dos preços de passagem aérea e a alta maior dos preços de alimentos in natura”, completa. 

A autoridade também explicou que o recuo projetado da inflação para o período de dezembro a fevereiro considera uma queda nos preços de combustíveis, principalmente em janeiro.

“Nesse mês também se espera recuo acentuado dos preços de passagem aérea. Para os demais componentes a projeção é, em geral, de persistência das pressões inflacionárias. Espera-se que os preços de bens industriais continuem avançando em ritmo alto, tendo em vista a continuidade da pressão dos preços ao produtor e de alguns gargalos de oferta”, argumenta. 

O BC ressaltou ainda que a inflação de serviços deve se mostrar elevada com o prosseguimento da normalização de alguns preços que ficaram deprimidos por conta da pandemia e do repasse da inflação passada, com forte reajuste nas mensalidades escolares em fevereiro. “Por fim, espera-se alta significativa nas tarifas de transporte público urbano, tendo em vista a alta dos preços dos combustíveis neste ano e a contenção das mesmas em 2020 e 2021, com impacto já nos meses iniciais de 2022.” Para o fechamento do ano eleitoral, o BC estimou que o IPCA ficará em 4,7%, com alta em relação aos 3,7% previstos em setembro.

Distribuidoras regionais saem do mercado e importação de combustíveis tem nova concentração

No meio da crise de preços devido à crise do petróleo no mercado internacional, o setor de distribuição de combustíveis brasileiro voltou a ter uma nova concentração de postos bandeirados, acelerados pelas dificuldades de importação pelas distribuidoras regionais.

Confaz pedirá prorrogação de prazo a Mendonça sobre ICMS dos combustíveis

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) ainda não se manifestou sobre a declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), de querer votar o projeto que limita o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis na próxima terça (24/5).

Por que os investidores devem prestar muita atenção ao desaparecimento do spread WTI-Brent

O investidor médio pode não pensar muito sobre o spread do preço do petróleo entre o West Texas Intermediate (WTI) e o Brent Crude, que geralmente é de apenas alguns dólares por barril - mas a diferença é realmente vital, e que todo petróleo em potencial investidor precisa entender.