Produção de petróleo no Brasil cai 1% em julho na comparação com 2020, diz ANP

A produção total de petróleo e gás no Brasil em julho foi de 3,9 milhões de barris de óleo equivalente por dia, alta de 0,6% na comparação anual.

 Valor Online – A produção de petróleo nacional no mês de julho ficou em 3,04 milhões de barris por dia (barris/dia), queda de 1% em relação ao mesmo mês no ano passado, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em julho, a produção de gás natural no Brasil chegou a 139,13 milhões de metros cúbicos por dia (m3/dia), crescimento de 6,7% em relação a julho de 2020. Com isso, a produção total de petróleo e gás no Brasil em julho foi de 3,9 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/dia), alta de 0,6% na comparação anual.

Em relação a junho deste ano, a produção de petróleo cresceu 4,85%, enquanto a extração de gás natural registrou alta de 2,48%. Na comparação mensal, a produção total de petróleo e gás no Brasil cresceu 4,5% em julho.

Segundo a ANP, os campos da cessão onerosa tiveram recorde de produção no mês, com a produção de 921,74 mil boe/dia. Esses campos também tiveram a maior participação já registrada na produção nacional, representando 23,51% do total do país.

Os campos do contrato de cessão onerosa que produzem atualmente são Búzios, Atapu e Sul de Tupi. Em julho, Búzios foi o maior produtor do país, com 710,8 mil boe/dia.

A cessão onerosa é um regime de contratação direta de áreas para a Petrobras, no pré-sal da Bacia de Santos.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).