Imagem: Reprodução Adobe Stock

As incertezas continuam rondando a realização do 76° Leilão de Biodiesel (L76), pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que terá início no próximo dia 5 de outubro.

Produtores e distribuidores seguem divergindo quanto à manutenção ou redução da mistura obrigatória do biodiesel no óleo diesel, que hoje é de 12%, o B12, para abastecer o mercado de novembro e dezembro.

De acordo com os distribuidores, a demanda nacional por óleo diesel continua elevada e pode chegar aos 9,4 bilhões de litros no último bimestre, um crescimento de 3,4% sobre o mesmo período do ano passado. Sendo assim, a demanda de biodiesel para atender o B12 mínimo poderia chegar a 1,2 bilhões de litros.

“Para o L76, o que se afigura é uma repetição do L75, que inclusive resultou, pelo volume ofertado em nível inferior à demanda, em que algumas distribuidoras ficassem sem os produtos que necessitavam adquirir”, afirmou Sergio Massillon, diretor institucional da BRASILCOM, que representa distribuidoras de combustíveis.

Produtores querem liberação da importação de soja

A Ubrabio pediu, em reunião com o MME, a retirada de um item do edital do L76 que obriga que o biodiesel vendido em leilão seja feito exclusivamente com matéria-prima nacional.

“Sem a liberação do uso de matéria-prima importada na fabricação do biodiesel não será possível a manutenção do B12”, defendeu o presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio), Juan Diego Ferrés.

ANP e ministério se reúnem nesta sexta (2) para discutir a questão.

“As regras, como estão causam uma segregação dos produtores de biodiesel”, afirma Diego Ferrés. O argumento é que uma parte dos produtores de biodiesel podem importar soja e óleo, porque também atendem ao mercado alimentício.

“Hoje há dois grupos, aqueles que podem importar e aqueles que possuem restrição. É fundamental que o governo tome uma medida que permita a igualdade e isonomia entre todos os produtores”, diz o presidente da Ubrabio.

O pedido a Ubrabio encontra resistência de outros representantes de produtores de biodiesel.

Segundo dados da Abiove, houve um aumento de 246% na importação de soja e de 46% de óleo de soja este ano em relação a 2019.

“Não vejo porque mudar a regra nesse momento”, afirma André Nassar, presidente da Abiove.

Já para o presidente da Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio), Erasmo Battistella, a definição de um Preço Máximo de Referência (PMR) justo, pela ANP, será fundamental para garantir a oferta de biodiesel.

“A oferta estimada pelos produtores pode atender a demanda da mistura mínima B12, ou até mais, desde que o PMR reflita as condições de custo das matérias-primas. A oferta diminui quando o PMR foca muito próximo ao preço da matéria- prima”, explicou Batistella.

De acordo com Erasmo Battistella, durante a pandemia do novo coronavírus, “muitos países do mundo aumentaram seus estoques de matéria prima e alimento, e alguns colocaram regras para exportação. Nós precisamos de uma estratégia. O Brasil não fez nada. E aumentou o preço do feijão e do arroz para não falar do óleo de biodiesel”.

“Acreditamos que esse não é o momento para abrir a importação de matéria-prima”, disse o presidente da Aprobio, Erasmo Battistella.

Riscos de escassez de matéria-prima

Para Décio Luiz Gazzoni, fundador do Comité Estratégico Soja Brasil (Cesb) e presidente do Steering Committee on Renewable Energy (ICSU-ROLAC), a falta de soja se trata de um problema circunstancial e não há risco de desabastecimento de soja no mercado doméstico.

“Caso o clima não interfira negativamente, o mercado deve regularizar a partir do início do ano, com uma safra projetada acima de 125 milhões de toneladas”, disse Gazzoni.

Contudo, segundo ele, é necessário estratégia, uma vez que a próxima safra de soja que ainda nem foi plantada já está sendo negociada.

“Até o final de setembro, cerca de 50% da próxima safra deve ter sido vendida. Este número é superior ao verificado nos últimos anos, que se situava em torno de 20-22%, para setembro (…) Assim como compradores externos estão antecipando compras, os processadores internos devem se antecipar e adquirir o estoque que necessitam para manter o funcionamento das suas indústrias e o atendimento dos clientes e consumidores”, concluiu.

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) afirmou, em nota, que está trabalhando “na construção da melhor alternativa para o adequado abastecimento do mercado de diesel B para o último bimestre de 2020, de forma que o leilão L76 preserve o interesse dos consumidores e de todos os agentes, transcorrendo da forma mais suave e transparente possível”.

Para André Nassar, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a manutenção do B12 dependerá do planejamento adequado que dê previsibilidade ao mercado.

“O governo pode tomar essa decisão (redução do B12) por questões de abastecimento. Mas tomar a decisão no meio do leilão é que nos preocupa muito, tanto que houve judicialização no leilão anterior por conta disso”, disse Nassar, durante webinar realizado pela BiodieselBr, na terça (29).

Na semana passada, a ANP anunciou que poderá determinar a redução da mistura de 12%, durante o curso do leilão, dependendo do volume ofertado pelos produtores.

“Caso considere-se necessária a redução da mistura, o início da fase 2 da Etapa 2 será suspenso e retomado conforme cronograma a ser publicado no site do leilão”, informa a ANP.

Em resumo, seria uma repetição do que ocorreu no L75, em que a Agência reduziu temporariamente a mistura obrigatória do biodiesel para 10% no diesel B, depois de já iniciado o leilão, causando a anulação da Etapa 3 e a suspensão da continuidade do leilão, por determinação da Justiça.

De acordo com Ana Luiza Lodi, especialista da consultoria StoneX, a redução seria inevitável devido a extrema restrição de oferta de soja e derivados no mercado doméstico.

“Já é consenso que a mistura ficará abaixo de 12%, mas ainda não foi decidido se valerá no último bimestre do ano o B11 ou o B10. Destaca-se, ainda, que com os atrasos no plantio da soja, há preocupação com a oferta de soja e subprodutos também no começo do próximo ano, principalmente em janeiro”, alertou a especialista.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia, as exportações de soja, no acumulado de janeiro a julho de 2020 atingiram 70,722 milhões de toneladas, 38,2% acima do mesmo período de 2019 (51,171 milhões de toneladas).

“As esmagadoras estão oferecendo prêmios maiores na tentativa de garantir a originação do grão, levando a uma situação de preços mais elevados no interior em relação ao porto. Com isso, os preços dos subprodutos também estão muito elevados. A alta do preço do óleo de soja vai ter impacto direto no preço do biodiesel do L76”, afirmou Lodi à epbr.

Último levantamento do Cepea mostrou que o óleo de soja está sendo negociado acima de R$ 6,8 mil por tonelada, um recorde nominal da série do Cepea e o maior patamar desde março de 2008.

Fonte: EPBR

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo fecham quase estáveis após 6 semanas de ganhos

Preços chegaram a cair mais de 1% no início da sessão, após a Opep afirmar que a demanda global pela commodity terá, em 2021, uma recuperação mais lenta do que se esperava anteriormente.

Petróleo fecha em baixa, com cautela por covid-19 e Opep na mira dos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta terça-feira, 20, em sessão marcada por aversão ao risco nas mesas de operações.

Petrobras anuncia queda de 5% no preço da gasolina nas refinarias

A Petrobras anunciou aos seus clientes que o litro da gasolina vendida…

Após semanas consecutivas de alta, etanol fecha estável

Depois de subir por 11 semanas consecutivas, os preços do etanol hidratado (pagos ao produtor) fecharam estáveis no estado de São Paulo entre 8 e 12 de março.