Quanto petróleo a Rússia está realmente bombeando?

A Rússia não aumentou sua produção de petróleo tanto quanto sua cota aumentada sob o acordo OPEP + permitiu nos últimos meses. As estimativas mostram que o líder do grupo não-OPEP no pacto OPEP + não tirou o máximo proveito dos dois últimos acordos da coalizão sobre o aumento dos tetos de produção para os membros. As cotas são proporcionais às linhas de base, o que significa que os maiores produtores, Arábia Saudita e Rússia, obtêm os maiores aumentos em suas respectivas produções de petróleo quando a OPEP + facilita os cortes.

Enquanto o maior produtor da Opep, a Arábia Saudita, segue estritamente com sua cota, estima-se que a Rússia esteja bombeando abaixo da cota desde abril – o mês em que a OPEP + decidiu aumentar gradualmente a produção coletiva de petróleo em 350.000 bpd em maio e junho e em mais de 400.000 bpd em julho.

Então, em julho, o grupo OPEP + decidiu que começaria a devolver 400.000 bpd ao mercado todos os meses, começando em agosto, até que desfizesse todos os cortes de 5,8 milhões de bpd.

A Rússia, que consegue bombear agora 105 mil bpd a mais a cada mês, parece estar ficando para trás de outros membros da OPEP + na produção dentro da cota, escreveu o estrategista de petróleo da Bloomberg, Julian Lee, em um artigo de opinião .

Ao todo, os analistas estão especulando e tentando calcular a produção de petróleo bruto da Rússia com base nos dados opacos de seu ministério de energia.

O ministério de energia da Rússia informa a cada mês um valor total da produção de petróleo do mês anterior, sem dividi-lo entre a produção de petróleo bruto e a produção de condensado – um óleo superleve. Após anos de debates dentro do grupo OPEP +, a Rússia ganhou uma isenção para não considerar sua produção de condensado como parte do acordo de corte de produção.

A falta de um número oficial direto da produção de petróleo bruto torna difíceis as avaliações sobre a produção de petróleo da Rússia e sua conformidade com o acordo OPEP +.

Todos os meses, é uma estimativa de quanto petróleo bruto a Rússia bombeia, e ainda é um mistério se ela realmente luta com o aumento da produção de petróleo bruto ou se sua produção de condensado caiu neste verão.

Por exemplo, em julho, a Rússia viu sua produção de petróleo aumentar pela primeira vez em três meses, à medida que a OPEP + continuava a reduzir os cortes de produção e a manutenção planejada em alguns campos de petróleo russos. A produção de petróleo e condensado da Rússia combinada ficou em cerca de 10,46 milhões de barris por dia (bpd) em julho, um aumento de 0,3 por cento em relação a junho, de acordo com estimativas da Bloomberg baseadas em dados preliminares do Ministério de Energia da Rússia.

Estima-se que a produção de petróleo da Rússia tenha diminuído ligeiramente em agosto, de 10,46 milhões de bpd em julho para 10,43 milhões de bpd no mês passado, de acordo com estimativas da Reuters com base nos dados do ministério de energia da Rússia em toneladas divulgados no início de setembro.

Mas esses mais de 10,4 milhões de bpd incluem o que é estimado em 800.000 bpd-900.000 bpd na produção de condensado na Rússia a cada mês.

A produção de condensado muito provavelmente varia sazonalmente com a produção de gás natural, observa Lee da Bloomberg.

Se a gigante do gás Gazprom produziu menores volumes de condensados ​​junto com gás natural este ano, como parece ser o caso, isso pode significar que a produção de petróleo bruto da Rússia aumentou nos últimos meses, mas foi mascarada pela menor produção total de condensado, Lee argumenta.

A produção de petróleo da Rússia neste ano deve ser 1 por cento menor em comparação com 2020, em vista do acordo OPEP +, disse o ministro da Energia, Nikolai Shulginov , no início deste mês.

A Rússia espera que sua produção de petróleo bruto mais condensado retorne aos níveis anteriores à pandemia em maio de 2022.

Até lá, e mesmo depois disso, os analistas continuarão a avaliar se a Rússia está lutando para aumentar sua produção de petróleo bruto de acordo com as cotas do acordo OPEP +.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.