Foto: Reprodução

A Raízen, joint venture da Cosan e Shell, se prepara para protocolar o pedido de oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no começo de junho. A ideia é que o preço inicial dos papéis seja conhecido no meio do mês seguinte. A oferta ficará entre R$ 10 bilhões e R$ 13 bilhões e já atrai investidores estrangeiros que investem em seus controladores. A Raízen deve buscar também investidores interessados no tema de sustentabilidade e reforçar a trajetória da empresa nesse sentido: a prioridade é mostrar o desenvolvimento de tecnologias de bioenergia e renovável.

O lançamento dos papéis da Raízen pode ser o maior IPO do ano e deve ocupar um dos quatro primeiros lugares entre os que movimentaram os maiores volumes na história da Bolsa brasileira. O maior IPO de todos os tempos até agora foi o do Santander, feito em 2009, que girou R$ 13,2 bilhões. Foi seguido pela BB Seguridade, em 2013, que atingiu R$ 11,5 bilhões. No fim do ano passado, o IPO da Rede D’Or se consolidou em terceiro lugar, movimentando R$ 11,4 bilhões. Procurada, a Raízen não comentou.


Autor/Veículo: O Estado de S.Paulo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Governo avalia elevar Cide para gasolina e reduzir tributos do etanol, diz ministra

O governo brasileiro estuda aumentar a Cide para gasolina e retirar os tributos Pis/Cofins para o etanol por um período.

Volume de etanol foi o maior já comercializado

Em agosto, o volume de etanol hidratado comercializado foi o maior da temporada 2020/21 (que se iniciou oficialmente em abril), conforme levantamento do Cepea.

Bolsonaro sugere mudar ICMS ou fixar valor para baixar preço do combustível

Diante da ameaça de greve dos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro(sem partido) decidiu que vai enviar ao Congresso, na semana que vem, um projeto de lei sugerindo uma “previsibilidade” para o ICMS relacionado a combustíveis.

Ultra, dona do posto Ipiranga, quer focar em óleo e gás com venda de rede de farmácias

Além da já divulgada venda da indústria química Oxiteno, avaliada em US$ 1,5 bilhão, a gigante nacional também deve se desfazer da rede de farmácias Extrafarma