Raízen lucra R$809,5 mi no trimestre com retomada de demanda por combustíveis

A Raízen (SA:RAIZ4) reportou lucro líquido de 809,5 milhões de reais no primeiro trimestre fiscal de 2021/22, ante prejuízo de 412,4 milhões no mesmo período do ano anterior, com suporte da melhor performance da produção e comercialização de açúcar e etanol e também com a retomada da demanda por combustíveis.

A geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado da Raízen somou 1,766 bilhão de reais no período, ante apenas 143,6 milhões de reais na mesma etapa do ciclo anterior, quando a pandemia de Covid-19 havia afetado fortemente os negócios.

“Iniciamos o nosso ano fiscal 2021/22 com forte expansão do Ebitda ajustado, apesar dos desafios enfrentados com o aumento do número de casos de Covid-19 no início do trimestre e pelos impactos da seca em nossa produção de cana-de açúcar”, disse a companhia, uma joint venture da Cosan (SA:CSAN3) e da Shell (NYSE:RDSa) (SA:RDSA34) que realizou uma oferta de ações recentemente.

“Aceleramos as vendas nos segmentos de Renováveis e Açúcar com preços crescentes. No segmento de Marketing & Serviços, vimos uma retomada gradual da demanda por combustíveis ao longo do período no Brasil, enquanto na Argentina a demanda seguiu estável”, afirmou.

O início do período de moagem da safra 2021/22 foi impactado pelo clima mais seco dos últimos 90 anos, afetando a produtividade dos canaviais no país, comentou a Raízen, citando queda de 3% no ATR de cana por hectare, o que foi atenuado “por investimentos e foco no aumento contínuo da produtividade agrícola e ganhos de eficiência”.

Desta forma, combinado ao atraso para a entrada da safra, o processamento de cana atingiu 20,5 milhões de toneladas (-6%) no período, disse a empresa, maior produtora global de etanol e açúcar de cana.

A produção de açúcar equivalente totalizou 2,6 milhões de toneladas (-5%), com a compensação parcial pelo melhor ATR do período. O mix de produção foi de 50% para açúcar (versus 54% na safra anterior).

O Ebitda ajustado de Renováveis alcançou 480 milhões de reais no trimestre, mais de duas vezes superior ao mesmo período do ano passado. O indicador de Açúcar atingiu 289 milhões de reais, também com forte crescimento.

Já a geração de caixa (Ebitda ajustado) do segmento de Marketing e Serviços, considerando todas as operações da plataforma Brasil e Argentina, aumentou para 968 milhões de reais, ante 181,5 milhões negativos no mesmo período do ano anterior.

“O melhor desempenho do período sinaliza a retomada da demanda por combustíveis a patamares mais próximos da normalidade…”, disse.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).