Raízen quer construir três novas usinas de etanol celulósico, diz Ometto

(Raízen/Divulgação)

O empresário Rubens Ometto, da Cosan, disse hoje em Live do Valor que a Raízen, que o grupo controle em conjunto com a Shell, pretende construir mais três usinas de etanol celulósico — ou de segunda geração. Atualmente, a joint venture possui uma usina com essa tecnologia, em Piracicaba, colada à usina de primeira geração Costa Pinto, construída em 2014.

“Queremos fazer três usinas desse tamanho, com produção de 300 milhões de litros adicionais de álcool de segunda geração”, afirmou.

Segundo Ometto, o etanol de segunda geração, que utiliza como matéria-prima bagaço e palha de cana, tem grande demanda no mercado internacional. “Empresas como Shell, Exxon-Mobil, Total, todas elas têm o maior interesse em adquirir esse etanol dado o sequestro de carbono que ele tem”, ressaltou.

O fundador da Cosan afirmou que a tecnologia de produção do etanol celulósico na Usina Costa Pinto é resultado ainda da parceria da Shell com a canadense Iogen, especializada em biotecnologia. Desde o início das operações, a Raízen ainda desenvolveu soluções tecnológicas próprias para contornar as dificuldades do processamento do bagaço e da palha da cana. Na última safra (2019/20), a unidade de Piracicaba alcançou uma produtividade de 226 litros de etanol para cada tonelada de biomassa em base seca. 

Fonte: Valor Econômico

Tendência de Reajuste Diesel e Gasolina 08/12/21

Os preços dos combustíveis não sofreram reajuste em 08/12 nas refinarias. O preço médio da Gasolina será comercializado a...

Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em janeiro foram negociados na entrega a US$ 72,02 por barril no momento da escrita, subindo 3,64%.

EUA devem anunciar ajuda de US$ 700 mi para setor de biocombustível

O governo Biden deve anunciar 700 milhões de dólares em auxílios relacionados à pandemia de Covid-19 para a indústria de biocombustíveis dos EUA nesta terça-feira, combinando o anúncio com novos mandatos de biocombustíveis que provavelmente desapontarão a indústria, de acordo com duas fontes com conhecimento do anúncio.