Reuters

Investing.com – A Índia é importante, quer a Opep+ goste ou não.

O rali de três dias do petróleo chegou ao fim na sexta-feira (30) conforme as imagens transmitidas globalmente pela televisão de uma Índia literalmente em chamas pela Covid – com milhares de mortos pelo vírus cremado em espaços abertos – criavam calafrios nos mercados de petróleo, que contam com a demanda do país de 1,4 bilhão de pessoas.

Estados e cidades na maior parte da Índia, incluindo a capital Nova Delhi e o centro financeiro Mumbai, entraram em lockdowns e toques de recolher, embora uma paralisação nacional não tenha sido anunciada. A Índia é o terceiro maior importador de petróleo do mundo e as restrições à sua economia aumentaram as expectativas de que o governo do primeiro-ministro Narendra Modi precisará arrecadar mais fundos para estímulos, com o país já com déficit de cerca de 188 bilhões de rúpias (US$ 2,5 bilhões) em apenas um mês de seu ano fiscal atual.

Durante dias, os mercados de petróleo tentaram ignorar a catástrofe da Covid na Índia, que registrou quase 18 milhões de infecções, ou mais da metade do total de 32 milhões dos EUA. Os preços do petróleo aumentaram sem parar entre terça e quinta-feira com o otimismo sobre o crescimento da demanda para este ano projetado pelo cartel de produtores Opep+, os números de estoque de petróleo e dados econômicos dos EUA.

Mas, na sexta-feira, a alta foi quebrada com notícias dos crescentes bloqueios na Índia, bem como no Brasil, outra importante economia emergente para o petróleo. Os fracos mercados de ações dos EUA contribuíram para o clima negativo.

O West Texas Intermediate negociado em Nova York, a referência para o petróleo dos EUA, caía US$ 1,67, ou 2,6%, para US$ 63,34 por barril às 15h12 (horário de Brasília). O WTI atingiu uma máxima de seis semanas de US$ 65,46 no início da semana.

O Brent negociado em Londres, referência global para o petróleo, caía US$ 1,55, ou 2,3%, para US$ 66,50. O Brent disparou para US$ 68,43 no início desta semana.

O WTI permaneceu em alta de cerca de 2% na semana, enquanto o Brent mostrou um ganho semanal de quase 1%, já que os ganhos nos últimos dias foram maiores do que a queda de sexta-feira.

“A crise da Covid na Índia, o terceiro maior importador de petróleo do mundo, continua a aumentar e, de fato, não dá sinais de diminuir”, disse Sophie Griffiths, chefe de pesquisa para o Reino Unido e EMEA da plataforma de comércio online OANDA.

“Com os casos diários continuando a atingir novos recordes dia após dia, o pico claramente ainda não foi alcançado. Com bloqueios contínuos e ameaças de novas variantes, a terrível situação da Covid na Índia é o risco dominante para o petróleo atualmente.”

A Rystad Energy alertou na quarta-feira que a crise da Covid na Índia poderia reduzir 575.000 barris por dia extras da demanda de derivados de petróleo em abril e 915.000 bpd em maio de 2021, perturbando o mercado de petróleo global quase equilibrado e criando um excesso de oferta considerável.

Uma reunião do comitê técnico conjunto de produtores de petróleo do cartel Opep+ concluiu na segunda-feira que pode ser capaz de eliminar até o final do segundo trimestre um excesso de petróleo que durou um ano, causado pela pandemia.

A Opep+, que reteve pelo menos 7 milhões de barris diários do mercado desde abril de 2020, irá bombear mais petróleo a partir do próximo mês. O grupo planeja adicionar 350.000 barris por dia em maio e junho, e mais 400.000 barris diários em julho.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Consumo de combustíveis continua trajetória de queda no Brasil

Nos dois primeiros meses do ano, o consumo de combustíveis no Brasil manteve sua tendência de queda quando comparados aos mesmos meses do ano passado (um tempo ainda pré-pandemia), de acordo com dados inéditos da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Preço da gasolina sobe nos postos na semana, mostra ANP

Litro da gasolina comum avançou 0,55%, para R$ 4,368, de acordo com levantamento da agência.

Sindicatos vão indicar a petroleiros suspensão temporária de greve

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus 13 sindicatos filiados vão…