Imagem: REUTERS/Thomas Peter

Investing.com – Os preços do petróleo bruto se recuperavam de forma pouco convincente na quarta-feira (9), após serem atingidos na terça-feira por preocupações sobre o enfraquecimento da demanda global.

Às 11h10 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA subiam 1%, a US$ 37,11 por barril, enquanto o benchmark internacional Brent subia 0,2%, a US$ 39,86, lutando para defender o nível de suporte psicológico chave de US$ 40.

Analistas dizem que a liquidação foi causada principalmente por dois fatores: de um lado, a ameaça de novas restrições à atividade econômica na Europa, Índia e outros lugares devido à disseminação contínua do coronavírus (com a Inglaterra reimpondo limites às reuniões sociais na terça-feira, enquanto o aumento de casos relacionados ao turismo na Europa matou uma recuperação nascente na demanda de combustível de aviação); e, por outro lado, uma desaceleração acentuada da demanda chinesa depois que as refinadoras independentes do país compraram petróleo em quantidades sem precedentes durante o colapso dos preços no segundo trimestre.

Dados da alfândega chinesa citados pela consultoria Oilx.co sugerem que as importações de petróleo caíram em uma média de 382.000 barris por dia em agosto em relação a julho.

A demanda chinesa mais fraca tem sido a principal causa para a Arábia Saudita e, desde terça-feira, os Emirados Árabes Unidos, cortarem os preços oficiais de venda para o mercado asiático em seus carregamentos de outubro.

“Quando fortes produtores do Oriente Médio estão dispostos a vender a preços mais baixos, é normal que o mercado global entre em pânico e siga o exemplo”, disse Paola Rodriguez-Masiu, analista de mercados de petróleo da Rystad Energy, em comentários por e-mail. “O pânico é o que registrou as perdas massivas ontem e é por isso que vemos um pequeno aumento nesta manhã.”

Paul Sankey, da Sankey Research, disse em uma nota matinal que a China era a ‘baleia’ no mercado de petróleo, semelhante ao papel da Softbank como ‘baleia’ no mercado de ações durante o verão no hemisfério norte.

No entanto, a fraca recuperação da demanda significa que agora há “um excesso de produtos esperando para chegar ao mercado”, de acordo com Patricia Hemsworth da Paragon Global Markets em Nova York.

A China não é o único grande importador cuja demanda tem lutado para se recuperar da pandemia. Na Índia, que agora é o ponto principal da pandemia global, a demanda por petróleo em agosto caiu mais de 16% em relação ao ano anterior, de acordo com dados do Ministério do Petróleo.

O mercado terá uma atualização sobre o equilíbrio entre oferta e demanda nos EUA mais tarde, com o relatório semanal do American Petroleum Institute sobre os estoques de petróleo e produtos dos EUA. Os números devem mostrar uma última grande queda nos estoques antes do fim de semana do Dia do Trabalho, que normalmente anuncia uma desaceleração na demanda sazonal.

Fonte: Investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Governo recusa proposta de elevar mistura do biodiesel ao diesel para 13%

A demanda visava ajudar o setor durante a crise da pandemia, que reduziu a demanda por diesel e, consequentemente a venda dos produtores de biodiesel

Medidas para o setor de etanol podem ser anunciadas nesta semana; segue a discussão sobre a CIDE

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, conta que será possível anunciar as medidas do governo federal para o setor sucroalcooleiro até sexta (24).

ANP aprova consulta pública sobre possibilidade de venda direta de etanol do produtor ao revendedor

A Diretoria Colegiada da ANP aprovou ontem (1/10) consulta pública, por 45 dias, sobre a minuta de revisão pontual da Resolução ANP nº 43/2009.