(Imagem: Pixabay)

Refinarias da Índia, terceira maior importadora de petróleo, têm comprado mais cargas fora do Oriente Médio depois que o governo incentivou a diversificação de fornecedores devido ao forte controle da produção pela aliança Opep+.

Processadores da Índia estão acrescentando novos tipos e comprando mais petróleo dos EUA para reduzir a dependência do Oriente Médio, tradicional fornecedor do país. A HPCL-Mittal Energy se tornou o primeiro cliente indiano de petróleo da Guiana, enquanto a Mangalore Refinery & Petrochemicals Ltd. encomendou um carregamento de petróleo brasileiro do campo de Tupi pela primeira vez.

Com a expansão da demanda por energia, a Índia precisa ampliar as fontes de petróleo, mas a surpreendente decisão da Opep e aliados no início do mês de estender as restrições para a oferta irritaram o governo devido aos preços mais altos.

Na Índia, que importa cerca de 90% de suas necessidades de petróleo, os preços nas bombas subiram para nível recorde neste ano. É mais um peso, pois a economia já sofre o forte impacto da pandemia de coronavírus.

As compras indianas de petróleo dos EUA mais que dobraram em janeiro na comparação mensal, segundo dados do governo. As sofisticadas refinarias do país podem processar quase todo tipo de petróleo, o que permite buscar novos fornecedores.

“No geral, as refinarias indianas têm sido bastante contínuas na diversificação de sua cesta de petróleo nos últimos anos”, disse Vandana Hari, fundadora da Vanda Insights, em Cingapura. “Embora possa haver algum capital político no anúncio da continuidade de diversificação, é um processo em andamento e continuará assim por razões comerciais.”

O petróleo Brent ultrapassou US$ 71 o barril no início do mês após a decisão da Opep+ de manter os limites de produção.

Fonte; Bloomberg

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preço nos postos: Etanol cai nas usinas, mas valor para os consumidores sobe

Valor médio do combustível renovável é considerado favorável para os motoristas em quatro estados

Demanda por gasolina já caiu entre 50% e 60%, diz presidente da Petrobras

Segundo Roberto Castello Branco, empresa deverá cortar a produção de alguns ativos devido à queda de demanda no mercado internacional.

Travada na Economia, venda direta de etanol anda na Câmara com relator na CCJ

A venda direta de etanol dos fabricantes para os postos, sem a exigência atual de os negócios com biocombustível ser intermediados pelas distribuidoras, tem tudo para caminhar mais celeremente na Câmara dos Deputados.

Fabricantes pedem preço recorde pelo biodiesel no L79

As distribuidoras já podem ir se preparando porque o preço do biodiesel vai subir – e bastante – nos próximos meses. Foi encerrada agora há pouco a Etapa 2 do 79º Leilão de Biodiesel (L79), processo que vai negociar o biocombustível que será usado para garantir a demanda do B13 durante o terceiro bimestre. Em média, os fabricantes estão pedindo R$ 7.293,65 por cada um dos 1,52 milhão de m³ que colocaram à disposição do mercado.