Reservas de petróleo caem 6,7% no Brasil em 2020, aponta ANP

Foto: Reprodução


As reservas provadas (1P) de petróleo do Brasil caíram 6,7% em 2020, na comparação com 2019. De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram declarados 11,89 bilhões de barris, no ano passado.

A ANP destaca que os impactos da pandemia de covid-19 no desenvolvimento de projetos de exploração e produção de óleo e gás e a produção recorde registrada em 2020 ajudam a explicar a queda das reservas.

Em geral, o volume de reservas é impactado negativamente pela produção realizada durante o ano e positivamente pelas reservas adicionais oriundas de novos projetos de desenvolvimento e por declarações de comercialidade de descobertas. Os números também podem ser impactados por revisões por fatores técnicos e econômicos.

No ano passado, foram produzidos, no Brasil, 1,076 bilhão de barris de petróleo. O país só conseguiu repor 25,6% das reservas, o equivalente a 275 milhões de barris.

Enquanto as reservas do pós-sal caíram 24,5%, no pré-sal houve um aumento de 3,37% em relação a 2019, para 8,511 bilhões de barris.

Já as reservas 2P (provadas e prováveis) totalizaram, em 2020, no Brasil, 17,496 bilhões de barris, queda de 3,3%. As reservas 3P (que inclui também os volumes possíveis), por sua vez, recuaram 24,6%, para 20,273 bilhões de barris.

Autor/Veículo: Valor Econômico

Tendência de Reajuste Diesel e Gasolina 08/12/21

Os preços dos combustíveis não sofreram reajuste em 08/12 nas refinarias. O preço médio da Gasolina será comercializado a...

Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em janeiro foram negociados na entrega a US$ 72,02 por barril no momento da escrita, subindo 3,64%.

EUA devem anunciar ajuda de US$ 700 mi para setor de biocombustível

O governo Biden deve anunciar 700 milhões de dólares em auxílios relacionados à pandemia de Covid-19 para a indústria de biocombustíveis dos EUA nesta terça-feira, combinando o anúncio com novos mandatos de biocombustíveis que provavelmente desapontarão a indústria, de acordo com duas fontes com conhecimento do anúncio.