Foto: Reprodução


As reservas provadas (1P) de petróleo do Brasil caíram 6,7% em 2020, na comparação com 2019. De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram declarados 11,89 bilhões de barris, no ano passado.

A ANP destaca que os impactos da pandemia de covid-19 no desenvolvimento de projetos de exploração e produção de óleo e gás e a produção recorde registrada em 2020 ajudam a explicar a queda das reservas.

Em geral, o volume de reservas é impactado negativamente pela produção realizada durante o ano e positivamente pelas reservas adicionais oriundas de novos projetos de desenvolvimento e por declarações de comercialidade de descobertas. Os números também podem ser impactados por revisões por fatores técnicos e econômicos.

No ano passado, foram produzidos, no Brasil, 1,076 bilhão de barris de petróleo. O país só conseguiu repor 25,6% das reservas, o equivalente a 275 milhões de barris.

Enquanto as reservas do pós-sal caíram 24,5%, no pré-sal houve um aumento de 3,37% em relação a 2019, para 8,511 bilhões de barris.

Já as reservas 2P (provadas e prováveis) totalizaram, em 2020, no Brasil, 17,496 bilhões de barris, queda de 3,3%. As reservas 3P (que inclui também os volumes possíveis), por sua vez, recuaram 24,6%, para 20,273 bilhões de barris.

Autor/Veículo: Valor Econômico

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras deve vender fatia restante na BR Distribuidora no 2° semestre

Empresa foi privatizada no ano passado por meio de uma oferta de ações; agora, Petrobras quer vender o máximo que conseguir da participação de 37,5%

ANP e Cade descartam tese de Bolsonaro sobre cartel nos combustíveis

O chefe da Agência Nacional do Petróleo e o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica apresentaram nesta terça no Senado dados do setor de combustíveis que contrariam a tese do presidente Jair Bolsonaro de que há um cartel dominando o setor de combustíveis no país.

Refinarias da Índia buscam reduzir dependência do Oriente Médio

Refinarias da Índia, terceira maior importadora de petróleo, têm comprado mais cargas fora do Oriente Médio depois que o governo incentivou a diversificação de fornecedores devido ao forte controle da produção pela aliança Opep+.

Pandemia, demora em emissão de CBios, impasse sobre metas: usinas avaliam 1º ano de RenovaBio

Em vigor a partir do ano da pandemia, Política Nacional de Biocombustíveis teve meta de descarbonização reduzida pela metade para 2020, com 15 milhões de toneladas. Empresários também citam necessidade de melhorar eficiência energética.