Reservas de petróleo provadas dos EUA caem 19% em 2020

As reservas provadas de petróleo nos Estados Unidos caíram 19% ao longo de 2020, de 44,2 bilhões de barris para 35,8 bilhões de barris, de acordo com novos dados da Energy Information Administration (EIA).

Os novos dados da EIA mostram que, ao longo de 2020, apenas 3 bilhões de barris de reservas comprovadas de petróleo bruto foram descobertos nos Estados Unidos, com 1,2 bilhão de barris ganhos por meio de ajustes, vendas e aquisições. 8,8 bilhões de barris de reservas provadas foram perdidos devido a revisões líquidas e 3,8 bilhões de barris foram consumidos pela produção de petróleo bruto. A variação líquida, segundo o EIA, é de 8,4 bilhões de barris, para uma perda total de 19%.

Dados anteriores da EIA mostram que essa perda de 8,4 bilhões de barris é a maior perda de reservas provadas desde pelo menos 2010. Na verdade, há apenas um outro ano na última década em que as reservas provadas nos Estados Unidos sofreram perdas: 2015.

Um dos principais motivos da perda de reservas provadas em 2020 foi o menor ganho com extensões e descobertas. Em 2020, apenas 3,002 bilhões de barris de petróleo bruto foram descobertos – menos da metade do que foi descoberto em 2018 ou 2019.

A EIA apontou a pandemia de COVID-19 como a principal causa da perda de reservas provadas de petróleo. Com bloqueios, pedidos de permanência em casa e restrições de viagem, a demanda por combustível para transporte caiu drasticamente. De acordo com a EIA, “as operadoras revisaram suas reservas comprovadas para baixo em 2020 e adiaram a perfuração de desenvolvimento”.

Sentindo a dor de forma mais aguda, o Texas – o estado com o maior volume de reservas provadas de petróleo bruto e condensado de arrendamento – teve a maior queda líquida nas reservas provadas gerais, seguido por Dakota do Norte.

Utah, por outro lado, teve o maior aumento líquido nas reservas provadas de petróleo bruto e condensado de arrendamento.

Petróleo Brent cai 0,09% nesta quinta-feira, após bater US$ 90 pela 1ª vez desde 2014

O barril do petróleo Brent, com contrato para março deste ano, fechou esta quinta-feira (27) em queda de 0,09%, cotado a US$ 89,88, segundo dados preliminares.

Gasolina defasada em R$ 0,29 age diretamente contra o hidratado, já mais caro do que deveria

O petróleo mantendo-se em volta dos US$ 89 o barril já alarga a defasagem dos preços da gasolina e do diesel, enquanto comprime mais a competitividade do etanol hidratado.

O que é o fundo de equalização dos combustíveis, defendido por governadores como alternativa ao ICMS

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou nesta quinta-feira (27) o congelamento do valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado nas vendas de combustíveis por mais 60 dias, até 31 de março. A decisão foi unânime, com voto favorável dos 27 secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal.