Resumo Combustíveis 26/06/2018

Na semana encerrada em 23 de junho, o preço médio ficou em R$ 4,538 por litro, ou seja, 0,74% mais barato do que na semana anterior (R$ 4,572).

A informação foi divulgada nesta terça-feira (26), no Rio de Janeiro, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Desde a semana encerrada em 2 de junho, quando foi registrada a última alta, o combustível acumula queda de preço de 1,65%.

O diesel também registrou sua terceira queda consecutiva na semana finalizada em 23 de junho, quando passou a custar R$ 3,397 por litro.

Da semana encerrada no dia 16 para a semana seguinte, a queda foi de 1,08%. Em três semanas, a queda de preço acumulada é de 11,26%.

O mesmo aconteceu com o diesel S10, que soma queda de 10,82% e passou a custar R$ 3,477 na semana passada (encerrada no dia 23).

O etanol hidratado, que na semana fechada em 23 de junho, custava R$ 2,92 por litro, registra quedas há duas semanas. Desde a semana encerrada em 9 de junho, o combustível acumula queda de 2,08%.

Fonte: Uol Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Importação de petróleo pela China cresce em setembro após alívio de congestionamento em portos

As importações de petróleo bruto pela China aumentaram 2,1% em setembro em relação ao mês anterior, já que…

Petrobras tem autonomia para definir preços de combustíveis, dizem conselheiros

O conselho de administração da Petrobras (PETR3;PETR4) está alinhado com o presidente da companhia e entende que a política de preços não sofreu alterações e segue o mercado internacional.

Resumo Semanal Combustíveis 04/Dez/2020

Confira as principais informações e tendências da semana sobre o mercado de combustíveis no Brasil.

Preço do etanol no Brasil despenca diante de medidas restritivas, aponta Cepea

Os preços do etanol tiveram forte queda no principal mercado consumidor do Brasil durante a última semana, à medida que a adoção de medidas restritivas no combate à pandemia de coronavírus afeta a demanda, disse nesta segunda-feira o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ligado à Universidade de São Paulo.