Preço da gasolina nas bombas cai pela 5ª semana seguida, diz ANP

Resumo Combustíveis 26/11/2018

Recuo, no entanto, é menor que a queda do preço do combustível nas refinarias; números da Petrobras sugerem que os postos vêm aumentando sua margem de lucro. O preço da gasolina nas bombas caiu 1,3% na semana passada, no quinto recuo seguido, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (26) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP).

O valor médio por litro passou de R$ 4,614 para R$ 4,554. O valor representa uma média calculada pela ANP com os dados coletados nos postos, e, portanto, os preços podem variar de acordo com a região. Na mesma semana, a Petrobras reduziu o preço nas refinarias em cerca de 3%, ou R$ 0,05. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos de combustíveis.

Bombas de gasolina de posto na zona sul de São Paulo Marcelo Brandt/G1 Em novembro, o preço da gasolina nas refinarias acumula queda de 19% – recuo bem maior que nas bombas. Considerando os dados da ANP, o valo médio da gasolina para o consumidor final acumula queda de 3,6% em novembro.

No ano, o preço médio da gasolina nas bombas acumula alta de 11%, considerando a média calculada pela ANP. A variação é maior que a inflação esperada para o ano todo. Segundo o relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (26) pelo Banco Central, o mercado espera que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, fique em 3,94% em 2018.

Os cortes pela Petrobras fazem parte da política de preços da companhia, que reajusta o valor da gasolina nas refinarias quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. Fatores como o câmbio e a cotação do barril de petróleo influenciam na variação dos preços. Segundo cálculo mais recente da Petrobras, o preço que a empresa cobra nas refinarias representa menos de um terço (27%) do valor pago pelos consumidores.

Os números sugerem que, nos últimos meses, os postos vêm aumentando sua margem de lucro. Atualmente, 16% do preço final corresponde aos custos e lucro dos distribuidores e postos de gasolina. Em maio, esta última fatia era de 12%, e no final de outubro era de 14%.

Diesel

A ANP também divulgou o preço médio do diesel, que terminou a semana a R$ 3,65 – uma redução de 0,4%. Foi a quarta queda seguida do preço do combustível nas bombas. Nas refinarias, o valor do diesel segue em R$ 2,1228.

A Petrobras reduziu a frequência de reajustes como parte do acordo para encerrar a greve dos caminhoneiros em junho. No ano, o preço médio do diesel nas bombas acumula alta de 9,8%, considerando os dados da ANP – também acima da inflação esperada para o ano.

Etanol e gás de cozinha

O preço médio do etanol terminou a semana em R$ 2,908 por litro, segundo a ANP. O valor representa queda de 0,61% na comparação com a semana anterior. No ano, o preço do combustível acumula queda de 0,14%. Já o preço do botijão de gás de cozinha subiu 1,2% na semana, para R$ 69,49. No ano, o preço médio do produto divulgado pela ANP acumula alta de 3%.

Fonte: G1 Economia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo fecha em baixa, com dólar forte após dados dos EUA e Irã no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda, nesta sexta-feira, 12. A commodity chegou a subir logo no início do dia, mas não mostrou fôlego, com o movimento negativo reforçado após indicadores dos Estados Unidos fortalecerem o dólar. Além disso, a possibilidade de acordo nuclear com o Irã seguia no radar, com potencial para aumentar a oferta do óleo.

Petróleo encaminha ganhos acima de 3%, assegurando melhor marca das últimas três semanas

O preço do petróleo opera em queda nos momentos finais do pregão desta sexta-feira (12), com mercados menos preocupados com interrupções de fornecimento no Golfo do México e potencial de maior oferta vindo do Irã.

Os preços do petróleo caem à medida que as preocupações com a demanda persistem

Os preços do petróleo caíram na manhã de sexta-feira, apagando alguns ganhos, já que os traders continuam cautelosos em comprar o petróleo novamente.