Resumo Semanal Combustíveis 13/Mar/2020

Petrobrás derruba preços na refinaria em 6,5% no diesel e 9,5% na gasolina…

Etanol cai forte nas usinas, com início da Safra….

Arábia Saudita anuncia elevação da produção em 25%…

Petróleo tem maior queda diária desde 1991…

Refit (Refinaria de Manguinhos), vai ao CADE contra Raízen…

ANP inicia consulta sobre diesel verde…..

Preço dos combustíveis recuam na semana, segundo ANP…

PMPF sofrerá alteração em 16/03….

DIESEL: Petrobrás anuncia queda com vigência à partir de 13/03…

A queda já era esperada, devido a queda vertiginosa no preço do barril de petróleo, queda essa que aconteceu devido ao impacto do Coronavírus, que está fazendo a economia mundial retrair e devido a guerra entre Arábia Saudita e Rússia, com elevação do aumento na produção de petróleo.

A queda nas refinarias foi de 6,5%, o que representa um impacto de R$ 0,1250/L.

GASOLINA:  Gasolina também cai nas refinarias…

A queda anunciada pela Petrobrás é de 9%, o que representa um impacto de R$ 0,1600/L.

Essa queda deve se refletir para os postos ao longo da semana, com a baixa dos estoques, e também projetamos queda no preço do etanol anidro que faz parte da composição da gasolina comercializada nos postos, com o inicio da produção.

ETANOL: Etanol cai forte na semana…

No acumulado diário, segundo o índice ESALQ, etanol tem queda nas usinas de 10% no mês de março. Essa queda deve continuar ocorrendo, devido ao inicio da safra da cana de açúcar, com o aumento da oferta de produto ao mercado.

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.