DIESEL: Petrobras reajusta diesel em 15%

Após 10 dias, Petrobrás sobe novamente preço do diesel nas refinarias do país. 

Porém dessa vez o aumento veio forte, muito a quem do estávamos acostumados a ver, o impacto foi de R$ 0,3305/L, porém não foi linear como de costume. Os estados do PR e SC, o reajuste foi mais pesado, na ordem R$ 0,3755/L.

Tecnicamente a Petrobrás tinha espaço para aplicar esse reajuste, na data de ontem, segundo nosso modelo de tendência, a diferença do diesel nacional para o diesel comercializado no Golfo era de R$ 0,45/L.

GASOLINA:  Gasolina também sobe…..

Gasolina também é reajustada após 10 dias em 10%, gerando um impacto de R$ 0,2262/L sobre a gasolina A.

Segundo nosso modelo de tendência na data de ontem, a diferença da gasolina nacional para a importada era na casa de R$ 0,29/L.

Portanto tecnicamente havia espaço para tal reajuste.

ETANOL: Etanol dispara nas usinas…

Acompanhando seu principal concorrente, etanol segue em disparada nas usinas, e o reflexo já chega até aos postos.

Segundo o índice ESALQ, etanol fecha a semana em alta, cotado a R$ 2,5268/L, alta de 12,43% em relação à semana anterior, o que representa uma alta de R$ 0,2794/L.

E AGORA, O QUE IRÁ ACONTECER????

Na sua live semanal às quintas-feiras, o Presidente da República, não gostou do movimento feito pela Petrobrás, e disse que haverá mudanças, porém não deixou claro, quais seriam elas. O que fez o mercado no dia de hoje questionar se realmente a Petrobrás terá a tal autonomia para seguir sua política de preço. Na bolsa de valores as ações caíram aproximadamente 6%.

Também foi anunciado durante a live, que à partir de 01/03, o Governo Federal irá zera o imposto federal que incide sobre o diesel e o gás de cozinha. Essa medida do governo, terá uma duração de 2 meses. Porém o governo não deixou claro onde será feita essa compensação devido a queda de arrecadação com o imposto do diesel e do gás.

Também na Sexta passada o Governo Federal, protocolou um Projeto de Lei, para alterar a cobrança do ICMS, onde nessa proposta, deixaria de existir a cobrança do ICMS pelo PMPF e passaria a ser por um valor fixo. Porém é uma medida que não é mediata, pois precisa da aprovação da câmara dos deputados e do senado e posteriormente ser discutida com cada uma das assembleias legislativas de cada um dos estados do país.

E agora o que irá acontecer nos próximos capítulos dessa novela longa e dolorosa para nossos bolsos?

Murilo Barco – Valêncio Consultoria

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR