A Rússia e outros importantes produtores de petróleo, incluindo membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), têm cortado produção para estabilizar o mercado global (Imagem: Pixabay/IGORN)

O vice-primeiro ministro da Rússia, Alexander Novak, disse nesta segunda-feira esperar uma demanda adicional por petróleo no próximo ano de 5 milhões a 6 milhões de barris por dia (bpd), com o consumo ainda não se recuperando totalmente da pandemia de coronavírus.

“Nós esperamos ao redor de 5 a 6 milhões de barris por dia em crescimento adicional da demanda no próximo ano. Esse é um cenário otimista”, disse Novak ao canal russo de televisão Rossiya-24.

Ele afirmou que a demanda global por petróleo ainda está até 8 milhões de bpd abaixo dos níveis pré-pandemia, quando ela normalmente ficava ao redor de 100 milhões de bpd.

A Rússia e outros importantes produtores de petróleo, incluindo membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), têm cortado produção para estabilizar o mercado global, afetado pela pandemia e seus impactos sobre o crescimento.

O grupo de produtores, conhecido como Opep+, começou a aumentar a produção conforme a demanda se recupera. O grupo deve elevar o bombeamento conjuntamente em 500 mil bpd a partir de 1° de janeiro.

O acordo da Opep+ vai até abril de 2022. Novak disse que a duração do pacto pode ser ajustada caso a demanda global por petróleo se recupere mais rapidamente que o previsto.

“Mas, em geral, nós continuaremos esse trabalho conjunto com parceiros de diferentes países, uma vez que acreditamos que isso traz benefícios para nossos países”, afirmou ele.’

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preço nos postos: Enquanto gasolina cai, etanol sobe e perde competitividade

Preço médio do biocombustível ainda é economicamente vantajoso para o consumidor em cinco estados

ANP vê leve desconcentração na distribuição de combustível

O mercado brasileiro de distribuição de combustíveis passou, entre 2014 e 2019,…

Preços de diesel, gasolina e etanol nos postos têm maior nível em ao menos 7 semanas

Valores dos combustíveis recuaram na semana de 22 a 28 de novembro, mas agora retomaram viés de alta e atingiram o maior patamar desde meados de outubro.