SÃO PAULO — A estatal de petróleo Saudi Aramco levantou US$ 25,6 bilhões no maior IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) da história. Ao todo, foram vendidas três bilhões de ações, o que corresponde a 1,5% do capital da empresa.

O preço estabelecido para os papéis foi de 32 rials (US$ 8,53) — o topo do preço definido no prospecto da oferta. Com isso, o valor de mercado da Saudi Aramco após a operação passou a ser de US$ 1,7 trilhão, ainda abaixo dos US$ 2 trilhões estimados pelo príncipe saudita Mohammed bin Salman.

Construção da planta de Fadhili da Saudi Aramco (Divulgação/Saudi Aramco)

O valor levantado pela Saudi Aramco no IPO superou os US$ 25 bilhões atingidos pela oferta de ações da gigante chinesa de comércio eletrônico Alibaba, em 2014, até então recorde histórico.

A Saudi Aramco é uma gigante que produz mais de 10 milhões de barris de petróleo por dia, ou cerca de 10% da demanda global, por isso seu IPO era tão esperado por investidores do mundo inteiro.

A companhia teve lucro de US$ 68 bilhões em 2019 até o final de setembro. No entanto, com os ataques às instalações de refino da empresa naquele mês, o lucro caiu cerca de 30% no terceiro trimestre em comparação com o mesmo período de 2018, para US$ 21,2 bilhões. O recuo foi maior que a queda de 17% nos preços de petróleo no mesmo período.

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Produtores de biodiesel atribuem racionamento de diesel a distribuidoras

A Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio) esclareceu que as…

Etanol sobe em 14 estados; preço médio avança 0,09% no país, confirma ANP

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 14 Estados na semana…

Com rompimentos de contratos, usinas não aguentam TRÊS meses, diz Unica

Se as distribuidoras diminuírem significativamente as compras de etanol, rompendo, flexibilizando e não realizando novos contratos, a maioria das usinas sucroalcooleiras do Centro-Sul não conseguirá garantir capital de giro para manter o andamento da nova safra por mais de três meses.

Fator de utilização de refinarias da Petrobras volta ao nível pré-pandemia

O fator de utilização está em 77%; as refinarias da estatal chegaram a operar com 50%