Quando a Opep+ se reunir em 4 de março, o grupo discutirá se fornecerá mais petróleo ao mercado em abril (Imagem: REUTERS/Ramzi Boudina)

Arábia Saudita e Rússia mais uma vez entram em uma reunião da Opep+ em lados opostos de um debate crucial sobre o mercado de petróleo.

O governo saudita têm pedido publicamente que outros membros sejam “extremamente cautelosos”, apesar da recuperação dos preços para o maior nível em um ano.

Nos bastidores, o reino sinalizou que prefere que o grupo mantenha a produção estável, disseram os delegados. O governo de Moscou, por outro lado, tem indicado que ainda quer prosseguir com o aumento da oferta.

As posições refletem as posturas das reuniões recentes, mas, desta vez, os sauditas têm uma nova moeda de troca – 1 milhão de barris por dia de cortes voluntários.

O reino se comprometeu a fazer esses cortes extras apenas em fevereiro e março, mas alguns veem sinais de que isso poderia mudar à medida que as negociações começarem.

“A questão-chave para mim é como eles devolvem os barris sauditas”, disse Bill Farren-Price, diretor da empresa de pesquisas Enverus e observador veterano do cartel. O reino poderia potencialmente usá-los como “alavanca para fechar um acordo”, disse.

Moeda de troca

Dez meses depois de reduzir a produção de petróleo quando a Covid-19 esmagou a demanda global, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados ainda mantêm 7 milhões de barris por dia fora do mercado, ou cerca de 7% da oferta global.

Tem sido um sacrifício, pois membros como o Iraque e Nigéria sofrem o impacto das exportações em queda. Mas produziu resultados, com os preços acima de US$ 65 o barril em Londres e como apoio às receitas reduzidas dos produtores.

Segundo a maioria das estimativas, com os cortes, a demanda por petróleo excedeu a produção neste ano por uma larga margem. A oferta ficou ainda mais apertada na semana passada devido à onda de frio no Texas que encolheu a produção dos EUA.

Quando a Opep+ se reunir em 4 de março, o grupo discutirá se fornecerá mais petróleo ao mercado em abril e precisará tomar duas decisões cruciais.

Primeiro, o grupo deve decidir se vai restaurar até 500 mil barris por dia, o próximo passo em uma retomada gradual da produção que foi acordada em dezembro, mas suspensa na reunião de janeiro.

Em segundo lugar, a Arábia Saudita deve determinar o destino de 1 milhão de barris extras por dia de cortes voluntários extras neste mês e no próximo para ajudar a enxugar os estoques excedentes ainda mais rapidamente.

Por Bloomberg

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preço de venda de refinaria pela Petrobras fica abaixo do esperado e já reflete receio de ingerência

O receio de interferência do governo nos preços dos combustíveis da Petrobras (PETR3;PETR4) pode levar investidores a pagar menos pelas refinarias postas à venda pela estatal.

Importação de petróleo pela Índia tem máxima de quase 3 anos em dezembro

As importações de petróleo pela Índia avançaram em dezembro para os maiores níveis em quase três anos, atingindo mais de 5 milhões de barris por dia (bpd), à medida que refinarias locais ampliavam operações para atender a uma recuperação na demanda por combustíveis, mostraram dados de fontes comerciais.

Crise de postos de gasolina afeta produtores de etanol no Brasil

A queda das vendas de combustíveis que afeta postos de gasolina também atinge produtores de etanol no Brasil.