Sem os ajustes, a companhia corre o risco de voltar a amargar prejuízos, aponta a Planner em relatório enviado a clientes (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Depois de gestões desastradas, a Petrobras (PETR3;PETR4) conseguiu se reerguer, voltando a apresentar resultados fortes.

Mas isso só foi possível graças a política de paridade com o preço internacional do petróleo e a redução de despesas.

Sem os ajustes, a companhia corre o risco de voltar a amargar prejuízos, aponta a Planner em relatório enviado a clientes.

“Acreditamos ainda que se a nova administração mexer nos pilares de gestão da Petrobras dos últimos anos (corte de custos/despesas, vendas de ativos e contenção dos investimentos), a empresa voltará a apresentar os mesmos resultados ruins do passado”, afirma o analista Luiz Francisco Caetano.

Para a corretora, a Petrobras tem tudo para repetir o bom desempenho e apresentar fortes lucros: o preço do petróleo está em alta, a demanda doméstica por combustíveis cresce e a taxa de câmbio é favorável.

“No entanto, estes resultados só vão ocorrer se a política atual de preços for mantida e isso foi colocado em dúvida em face do presente processo de substituição do presidente da empresa”, aponta.

No mês passado, Bolsonaro anunciou a indicação do general Joaquim Silva e Luna para assumir a presidência da estatal, no lugar de Roberto Castello Branco, que está no cargo desde o início do governo.

A mudança ocorreu após a disparada dos preços dos combustíveis, o que desagradou caminhoneiros e grupos de apoio do presidente.

Em entrevista, o general afirmou que “há questões que praticamente não temos o poder de alterar, como o câmbio e o preço internacional do petróleo”.

Céu de brigadeiro
A cotação da commoditie já disparou 30% neste ano. Segundo projeções feitas pela Energy Information Administration (EIA), órgão do governo dos Estados Unidos, o preço médio do Brent em 2021 será de US$ 60,67 por barril, alta de 45,5% em relação a 2020.

Diante das condições favoráveis, a Planner elevou o preço-alvo da Petrobras de R$ 26 para R$ 30, o que implica potencial de valorização de 29%. A recomendação é de compra.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Sonegadores contumazes de combustíveis geram dívida de R$ 70 bilhões aos Estados

A dívida ativa total de empresas do setor de combustíveis que sonegam tributos estaduais de forma “contumaz”, operando de forma predatória, está estimada em 70 bilhões de reais, mostrou nesta quarta-feira levantamento do Instituto Combustível Legal (ICL), com base em dados das Secretarias de Fazendas dos principais Estados brasileiros.

Indústria de biodiesel do Brasil sofre com pandemia e é pressionada a mudar contratos

Produtores de biodiesel do Brasil avaliam negociar alguma flexibilização nos próximos contratos para a venda do produto.

Preço médio da gasolina nas bombas cai pela 8ª semana seguida, diz ANP

O diesel também caiu, registrando sua 6ª semana de queda; já o valor do etanol subiu, interrompendo uma sequência de 9 baixas.