No sábado (1º), a Petrobras reduziu os preços da gasolina e do Diesel vendidos nas refinarias. Desde o início do ano, porém, os dois combustíveis acumulam altasImagem: MARCELO D. SANTS/ESTADÃO CONTEÚDO

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) protocolou um Projeto de Lei com o objetivo de conter altas no preço dos combustíveis. O texto altera a política de preços da Petrobras e estabelece limites para aumentos, criando um fundo para absorver oscilações no valor dos derivados de petróleo (diesel, gasolina e GLP, o gás de cozinha).

Pela proposta, o valor cobrado pela Petrobras teria como referência os preços no mercado internacional, os custos internos de produção e de importação. Hoje, com o PPI (Preço de Paridade Internacional), a estatal tem como referência as cotações internacionais, em dólares, e os custos de importadores, como transportes e taxas portuárias.

O governo apresenta resistência em modificar o modelo atual por considerar que a retirada do PPI poderia abrir portas para uma interferência indevida no controle de preços da Petrobras.

O texto do senador de oposição estabelece que o governo ficaria responsável por fixar “bandas de preços”, ou seja, limites mínimos e máximos de variação dos valores para o consumidor.

O projeto também cria um imposto sobre a exportação de petróleo bruto, que seria utilizado para bancar um fundo de estabilização. Com esse fundo, o governo absorveria reajustes superiores ao limite máximo da banda de preços.

Pelo projeto, a alíquota do novo imposto (ou seja, o percentual cobrado sobre o preço do petróleo) ficaria entre 0% e 20%, dependendo da cotação do barril em dólares. O texto estabelece, ainda, que o Executivo defina qual a frequência dos reajustes dos combustíveis.

A proposta se inspira em análises do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), entidade ligada à FUP (Federação Única dos Petroleiros).

Diesel e gasolina acumulam aumentos
No sábado (1º), a Petrobras reduziu os preços da gasolina e do Diesel vendidos nas refinarias (queda de 1,9% e 2,2%, em média, respectivamente). Desde o início do ano, porém, os dois combustíveis acumulam altas: o preço da gasolina nas refinarias subiu 40,8%, e o do diesel, 33,5%.

No caso do Diesel, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) tentou conter a alta isentando o combustível de PIS e Cofins, dois impostos federais, e diminuindo o percentual da mistura de biodiesel (de 13% para 10%).

As medidas, porém, somente estabilizaram o preço, sem produzir reduções significativas nos valores pagos pelos motoristas nos postos. Os impostos voltaram a ser cobrados no sábado (1º).

Até o momento, fontes do governo afirmam que não há perspectiva de uma nova isenção dos impostos.

Fonte: UOL

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

ANP reduz temporariamente percentual de biodiesel misturado ao diesel

A Diretoria Colegiada da ANP, com a concordância do Ministério de Minas…

As mudanças que as distribuidoras querem implementar no RenovaBio

Controle de preços do CBio, metas para emissores dos créditos, a possibilidade…

Produção brasileira de etanol de cana deve ter queda de 2 bilhões de litros em 2021, estima Platts

Em um cenário de 590 milhões de toneladas de cana de açúcar moídas na safra 2021/22, a produção de etanol de cana deve ficar em 25,8 bilhões de litros, uma queda de 2 bilhões de litros no ano, estima a S&P Global Platts Analytics.