Imagem: Reprodução Adobe Stock

O setor de biodiesel está pleiteando junto ao governo a antecipação da mistura de 13% do biocombustível ao diesel para 1º de julho, como forma de contribuir com o desenvolvimento do setor e estimular a economia em meio à pandemia do coronavírus, afirmaram representantes do segmento nesta terça-feira.

Em março, a mistura obrigatória de biodiesel no diesel passou de 11% para 12%, seguindo o cronograma do governo, que atualmente prevê a elevação de 1 ponto percentual por ano, atingindo 15% até 2023. [nL2N27S10G]

Uma antecipação, na visão do setor, permitiria mitigar efeitos negativos decorrentes de uma queda na demanda por energia no Brasil, diante do isolamento social para evitar a transmissão do novo coronavírus.

Em meio aos efeitos da crise, a perspectiva de produção brasileira de biodiesel deste ano foi revisada para 6,5 bilhões de litros, contra projeção anterior de 6,9 bilhões de litros, segundo a União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio). Em 2019, a produção foi de 5,9 bilhões de litros.

“Nós estamos pedindo ao governo… a antecipação do B13, onde nós teríamos uma redução de importações (de diesel) e garantiríamos portanto um aquecimento na nossa economia, que precisa ter. Essa tem sido a reivindicação do setor”, afirmou o presidente da Frente Parlamentar do Biodiesel, deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), ao participar de um debate online promovido pela agência epbr.

Um pedido de antecipação assinado pelas entidades que representam o setor –Ubrabio, Abiove e Aprobio– foi enviado na semana passada ao governo federal, informou à Reuters a Ubrabio.

Segundo a entidade, a redução estimada da produção de biodiesel neste ano, de 400 milhões de litros, devido ao coronavírus, equivale a cerca de 350 mil toneladas de óleo de soja, o que representa 1,8 milhão de toneladas de soja que deixará de ser processada.

A soja é a principal matéria-prima do biodiesel.

“A antecipação do B13 permitirá que o Brasil reverta essa projeção de queda na atividade industrial e a produção de biodiesel se elevará para 7,2 bilhões de litros, o consumo de óleo de soja para 5,5 milhões de toneladas e o esmagamento crescerá em 3,3 milhões de toneladas”, afirmou à Reuters.

Além disso, a Ubrabio destacou que a medida permitiria que o país ampliasse a oferta de farelos protéicos, trazendo redução de custos para os produtores de proteínas animais, e reduzindo as importações de diesel A.

“Portanto, uma solução capaz de ajudar o país a ampliar a oferta de alimentos, aumentar a segurança energética e contribuir com a geração de PIB e empregos.”

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Brasil vai produzir gasolina com mesma qualidade dos EUA e Europa

A partir de agosto, combustível seguirá novas especificações. Preço será mais caro, o que deve ser compensado por consumo menor, diz diretora da Petrobras

Nova especificação da gasolina não resultará em aumento de preço em São Paulo

Gasolina brasileira recebeu novas especificações, mas isso não vai fazer com que ela fique mais cara. Rendimento é superior em até 6% e ela ficou mais difícil de ser adulterada

Demanda global por petróleo ainda não atingiu pico, diz AIE

No ano passado, o consumo global de petróleo totalizou quase 100 milhões de barris por dia

Produção de petróleo da Petrobras sobe 2,8% em julho ante junho, diz ANP

Números mostram que petroleira vem melhorando desempenho operacional desde maio, com recuperação da demanda pela commodity no mercado global