Marca da Shell REUTERS/Morteza Nikoubazl

Por Ron Bousso

LONDRES (Reuters) – A petroleira Royal Dutch Shell Royal (LON:RDSa) (SA:RDSA34) viu seus lucros com a comercialização de petróleo e produtos refinados dobrar em 2020 ante o ano anterior, para 2,6 bilhões de dólares, ajudando a compensar uma forte queda na demanda por combustíveis devido à pandemia do coronavírus.

As operações de “trading” da Shell responderam por 43% dos ganhos totais da divisão de Produtos de Petróleo da Shell, de 5,995 bilhões de dólares em 2020.

O resultado com a comercialização havia somado 1,3 bilhão de dólares em 2019, segundo o relatório anual da Shell, publicado na quinta-feira.

A contribuição acima do normal das operações de trading ajudou a Shell a lidar com um dos anos mais duros da história do setor de petróleo, em que o consumo de energia entrou em colapso durante a pandemia.

A Shell, líder em comercialização de energia no mundo, viu uma queda de 28% nas vendas de petróleo no ano passado, para 4,71 milhões de barris por dia em média, segundo o relatório.

O lucro da companhia em 2020 recuou ao menor nível em quase duas décadas.

Os dados da Shell sobre as operações de trading não incluem gás natural, gás natural liquefeito, energia elétrica e renováveis. A companhia também é a maior negociadora global de gás natural liquefeito.

A rival BP lucrou quase 4 bilhões de dólares em sua divisão de trading em 2020, segundo apresentação da companhia vista pela Reuters, quase igualando o recorde anual da unidade em 2019.

As empresas podem obter grandes lucros mesmo durante tempos de baixa demanda por commodities ao armazenar produtos como petróleo na costa ou no mar. As vastas operações de refino, trading e varejo da Shell também permitem a ela tomar vantagem de mudanças de curto prazo na oferta e demanda ao redor do mundo.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Na contramão de concorrentes, Petrobras quer deixar 7º maior mercado de combustíveis.

A Petrobras deu mais um passo na quarta-feira (26) em sua estratégia de concentrar seus negócios na exploração e produção e petróleo e gás e em cinco refinarias do Sudeste.

“Brasil corre o risco de perder a nova onda mundial de expansão do etanol”, afirma o presidente do Ceise BR

Luís Carlos Júnior Jorge alerta que o custo Brasil faz a indústria de base perder competitividade, mas é possível corrigir isso.

Conselho da Petrobras aprova venda de restante na BR Distribuidora

Transação ocorrerá por meio de uma oferta pública secundária de ações

Com recuperação no consumo, preços do etanol devem seguir subindo

O dia foi de preços entre estáveis a mais altos para o etanol em São Paulo. Em Ribeirão Preto, o hidratado seguiu em R$ 2,06 o litro.