Silva e Luna diz que não é correto atribuir alta dos combustíveis à Petrobras

Presidente da estatal afirmou que dividendos podem ser utilizados em fundo de estabilização dos preços

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, afirmou nesta terça-feira (23) que “não é correto” atribuir à Petrobras o aumento nos preços dos combustíveis. Em audiência na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos do Senado), ele afirmou que não há monopólio e que a empresa segue os preços do mercado.

“A Petrobras reajusta o preço desses combustíveis observando estas variáveis: mercado externo, mercado interno, como eles se comportam, observamos praticamente três grandes mercados —os Estados Unidos, a Europa e a Ásia— a competição entre produtores e importadores, e a variação do preço no mercado mundial”, argumentou.

De acordo com o presidente, nos últimos sete meses, a estatal ficou 95 dias sem alterar o preço do GLP; 85 sem aumentar o valor do diesel; e 56 dias sem elevar o da g asolina. Ele ainda afirmou que os 15 reajustes feitos pela empresa resultaram em 38 altas para os consumidores.

“A contribuição da Petrobras no preço da gasolina é de R$ 2,33 a outra parte é etanol, é distribuição, revendas, tributos e ICMS”, explicou.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a se esquivar de críticas sobre o custo dos combustíveis e disse nesta terça-feira (23) que o governo avalia rever “a questão da paridade com o preço internacional”. Em entrevista à Rede Correio Sat, da Paraíba, também defendeu mudanças sobre a cobrança de ICMS da gasolina.

“É uma empresa que não tenho domínio sobre ela, tem seu aparelhamento. Ela busca o lucro. Tivemos problema sério, no passado, além da corrupção, com a questão da paridade com preço internacional. Estamos buscando rever essa questão”, disse Bolsonaro.

“Ela entrega a gasolina a R$ 2,3 o litro. Chega a R$ 7 no final da linha. É um assunto que sempre procuro debater com a sociedade para demonstrar onde está o problema”, afirmou ainda o mandatário.

Na última semana, o preço da gasolina nas bombas ficou em R$ 6,752 por litro, estável em relação à semana anterior. O valor é 6,1% superior aos R$ 6,361 verificados na semana anterior ao reajuste. O aumento na refinaria foi de R$ 0,21 por litro, mas nas bombas a alta já chega a R$ 0,39 por litro.

O preço do diesel também se estabilizou. De acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o produto era vendido na semana passada por uma média de R$ 5,356 por litro no país. O valor é R$ 0,37 superior ao vigente antes do reajuste nas refinarias

O último reajuste ocorreu há quase um mês, mas a alta acumulada nas bombas é bem superior aos aumentos promovidos pela estatal.

Especialistas atribuem a diferença à evolução da cotação dos biocombustíveis misturados aos dois produtos e pelo repasse das cotações internacionais nas importações por empresas privadas.

Silva e Luna também afirmou que a Petrobras não é a única a fornecer combustível no país e que a gasolina produzida pela empresa representa 40% do consumo dos veículos leves e 62% do consumo de diesel.

“Não há monopólio, reforçamos isso. A Petrobras não é a única supridora do mercado. Atribuir à Petrobras preço do combustível não é correto. Muitos no país não sabem, o consumidor tem opção de escolha para abastecer”, disse antes de citar outras empresas que atuam no Brasil, como Vibra, Ipiranga, Raízen e Atem.

Produção de etanol anidro cresce 22,3% no Nordeste, diz NovaBio

Com a safra 2021/22 em andamento, dados compilados pela Associação dos Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio) sinalizam que a moagem de cana no Norte-Nordeste atingiu 28,67 milhões de toneladas no acumulado até 15 de novembro.

Valor do petróleo cai 2% e Petrobras ganha espaço para cortar preços no Brasil

O preço do barril de petróleo tipo brent atingiu os US$ 67,44 nesta quinta-feira, 2, o que representa uma queda de 2,08% em relação aos valores praticados na data anterior.

Abastecer com GNV rende quase o dobro que gasolina e etanol, aponta Abegás

Um levantamento da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) mostra que, atualmente, o Gás Natural Veicular (GNV) tem rendido quase o dobro da gasolina e do etanol.