Reajustes significativos do etanol na usina em duas semanas é sentido na cadeia (Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

Apesar da alta do preço do milho no mercado interno nos últimos dois anos, as usinas que utilizam o cereal para fazer etanol ampliaram a produção do combustível e fizeram novos investimentos.

Na safra encerrada em março, a produção foi de 2,7 bilhões de litros. Nesta, que teve início em abril, e que terminará em março do próximo ano, a produção deverá subir para 3,38 bilhões de litros.

Esse aumento vem de duas grandes ampliações e de uma nova operadora no mercado. Agora já são 19 usinas de etanol de milho em operação no país, 12 delas em Mato Grosso.

As informações são de Guilherme Nolasco, presidente-executivo da Unem (União Nacional do Etanol de Milho). Segundo ele, o setor está otimista e projeta produção de pelo menos 8 bilhões de litros de etanol proveniente de milho em 2028, 20% da demanda nacional do combustível.

Nolasco diz que os fundamentos do mercado permitem esse avanço. Mesmo com a mudança interna no preço do milho, as usinas estão trabalhando com média nacional de 86% da capacidade instalada. Em alguns casos, esse patamar supera os 90%.

As empresas trabalham com compras antecipadas do cereal e com armazenamento. Portanto, elas não estão pagando os preços praticados atualmente pelo mercado físico.

Mas o setor se beneficia dessa alta de preços do milho. O DGG, produto que contém proteína e é um derivado do processamento do milho, segue os preços de mercado.

A indústria de etanol tem a seu favor, ainda, o ganho de eficiência que vem obtendo nos anos recentes. Em 2015, uma tonelada de milho rendia 360 litros de etanol. Hoje, são 435 litros, 21% a mais.

O setor se beneficia também da elevação dos preços do etanol, após uma valorização do petróleo e uma recuperação dos preços do açúcar no mercado internacional.

Uma outra vantagem, segundo Nolasco, é que a produção, por ser sustentável, facilita o recebimento de investimentos voltados para esse setor.

O presidente da Unem destaca a importância da complementação do etanol de milho para o setor de combustível. No período da entressafra do setor de cana, a partir de dezembro, as usinas de milho conseguem colocar de 1 bilhão a 1,2 bilhão de litros no mercado, eliminando a volatilidade acentuada dos preços.

Nesta safra, serão utilizados 8 milhões de toneladas de milho para a produção de etanol.

Fonte: Folha de S. Paulo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petróleo: Remoção das Sanções ao Irã Pode Ter Repercussões Inesperadas no Mercado

A produção e exportação do petróleo do Irã devem estar no centro das preocupações dos observadores do mercado, já que o governo Biden avança nas negociações com o país persa.

Alta do petróleo: a crescente rivalidade entre duas monarquias por trás da disparada de preços

Uma disputa pública entre os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita sobre as cotas de produção de petróleo nesta semana fez com que as negociações entre as maiores nações produtoras do mundo fossem abandonadas, deixando os mercados de energia sem referências e empurrando os preços do recurso para o maior valor em seis anos.

Os Futuros do Petróleo caíram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em Julho foram negociados na entrega a US$ 69,75 por barril no momento da escrita, caindo 0,43%.

Petrobras lança Fatos e Dados sobre diesel para explicar política de preço

A Petrobras (SA:PETR4) saiu em defesa da sua política de preços em relação ao diesel, combustível que está no topo das insatisfações dos caminhoneiros com o governo Jair Bolsonaro, e listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação.