O Projeto de Lei Complementar (PLP) 10/20 quer limitar a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os principais combustíveis. Intenção é deixar o preço de gasolina, etanol e diesel mais justo.

De acordo com o texto, a alíquota máxima do tributo, nas operações que acontecem dentro do estado, será de 20% para gasolina, 10% para óleo diesel e 15% para o etanol (anidro e hidratado). O texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta altera a Lei Kandir, que regulamentou o ICMS, principal tributo estadual. Autor do projeto, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) defendeu a fixação do teto para o imposto.

“A falta de uma trava que limite o ICMS tem resultado na cobrança de índices claramente confiscatórios, chegando como, no como caso do estado do Rio de Janeiro, a 34% do preço de pauta da gasolina”, disse.

De acordo com a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), a alíquota de ICMS varia da gasolina de 25% a 34%, dependendo do estado. A variação para o diesel e o etanol é de, respectivamente, 12% a 25% e 12% a 32%. Os dados são de janeiro de 2020.

A proposta será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o Plenário da Câmara.

Fonte: Agência Câmara

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Em escalada, Arábia Saudita anuncia elevação da produção de petróleo em 25%

Esse é o novo episódio de uma longa e amarga guerra de preços entre Rússia e Arábia Saudita

Ultra e Raízen devem entrar na briga por compra de refinarias da Petrobrás

30/10/2019 – A Petrobrás prevê concluir em março de 2020 a venda…

Etanol cai em 23 Estados e no DF, diz ANP; preço médio no país recua 5,76%

Os preços médios do etanol hidratado caíram em 23 Estados e no Distrito Federal na semana encerrada no sábado, 11, ante o período anterior, de acordo com levantamento da ANP