Valor do petróleo cai 2% e Petrobras ganha espaço para cortar preços no Brasil

Poder 360 – O preço do barril de petróleo tipo brent atingiu os US$ 67,44 nesta quinta-feira, 2, o que representa uma queda de 2,08% em relação aos valores praticados na data anterior.

A redução é motivada pelo possível aumento de produção do combustível nos próximos meses. A Rússia propôs formalmente à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), organização que reúne os maiores produtores do planeta, um aumento da produção da commodity em 400 mil barris por dia. Se concretizada, a medida valerá a partir de janeiro.

O petróleo já perdeu 22,21% de valor frente ao pico de US$ 86,70 registado a 25 de outubro. Essa redução abre margem para a Petrobras reduzir os preços dos combustíveis nas próximas semanas. Na avaliação da Ativa Investimentos, há necessidade de a estatal cortar em 5% os valores praticados no Brasil para manter a política de paridade.

“O potencial baixista é fruto da queda no preço do barril de petróleo internacional, sendo negociado próximo aos US$ 70 dólares nesta quinta-feira. Em geral, o mercado e diversas commodities reagiram à incerteza trazida pela nova variante ômicron com o temor de possíveis novas restrições de mobilidade e queda de demanda”, explica o economista da Ativa, Guilherme Sousa.

Por outro lado, o economista-chefe da corretora, Étore Sanchez, lembra que o dólar está cotado em R$ 5,68. Ou seja, se o câmbio continuar estável nos próximos dias, o potencial de redução dos combustíveis seria ainda maior.

Um eventual barateamento da gasolina e do diesel no Brasil pode ajudar a reduzir a inflação, que está acima de 10% no acumulado em 12 meses.

Petróleo Brent cai 0,09% nesta quinta-feira, após bater US$ 90 pela 1ª vez desde 2014

O barril do petróleo Brent, com contrato para março deste ano, fechou esta quinta-feira (27) em queda de 0,09%, cotado a US$ 89,88, segundo dados preliminares.

Gasolina defasada em R$ 0,29 age diretamente contra o hidratado, já mais caro do que deveria

O petróleo mantendo-se em volta dos US$ 89 o barril já alarga a defasagem dos preços da gasolina e do diesel, enquanto comprime mais a competitividade do etanol hidratado.

O que é o fundo de equalização dos combustíveis, defendido por governadores como alternativa ao ICMS

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou nesta quinta-feira (27) o congelamento do valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado nas vendas de combustíveis por mais 60 dias, até 31 de março. A decisão foi unânime, com voto favorável dos 27 secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal.