Venda de combustível cai 2% em setembro na comparação anual, diz Plural

Os volumes de combustíveis vendidos pelas principais distribuidoras do País apresentaram queda de 2% em setembro de 2019 na comparação com igual mês de 2018, para 7,169 milhão de metros cúbicos. Os dados foram divulgados pela Plural, entidade que representa empresas como a BR Distribuidora, Raízen e Ipiranga.

O resultado veio diante da forte queda nas vendas de diesel, de 2,39%, para 3,458 milhões de m3.

As vendas totais de gasolina avançaram 5,76% no período, para 1,955 milhão de metros cúbicos. Já as vendas de etanol avançaram 0,32%, para 990,65 mil m3.

BR Distribuidora
A BR Distribuidora apresentou queda de 7% nas vendas totais no mês na comparação anual, para 2,840 milhões de m3. O recuo foi resultado sobretudo da piora nas vendas de diesel, queda de 6%, para 1,372 milhão de m3.

A BR apresentou ainda alta de 4,87% nas vendas de gasolina, para 721,1 mil m3. Já a venda de etanol da distribuidora recuou 1,8%, para 301,95 mil m3.

Ipiranga
A Ipiranga teve venda total no mês de 1,971 milhão de m3, queda de 0,33% na comparação com igual mês de 2018. O resultado foi puxado para baixo ante o recuo de 3,14% no diesel, para 1,008 milhão de m3.

O mês foi contrabalançado pelas vendas de gasolina, que avançaram 3,87%, para 605,1 mil m3. Já as vendas de etanol da empresa subiram 2,66%, para 324,6 mil m3.

Raízen
A Raízen mostrou vendas totais de 2,272 milhão de m3 em setembro, alta de 3,73% na comparação com igual mês de 2018. Sustentou o resultado a alta de 8,72% nas vendas de gasolina, para 629,3 mil m3. Além disso, na contramão das concorrentes, a Raízen apresentou alta de 3,58% nas vendas de diesel, para 1,078 milhão de m3.

A venda de etanol da empresa mostrou leve alta de 0,09%, para 364,09 mil m3.

Fonte: Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.