Venda direta de etanol é positiva, mas há dúvidas sobre tributação, diz Arnaldo Jardim

Agência Estado – A venda direta de etanol da usina aos postos é positiva, mas a medida provisória assinada nesta quarta-feira traz riscos do ponto de vista tributário e da qualidade do combustível para o consumidor final, segundo o presidente da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético, deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP).

“A MP afirma que vai haver dois sistemas de cobrança: quando a venda é feita para distribuidoras o PIS/Cofins é recolhido com a distribuidora e a usina. Mas quando a venda for direta aos postos, vai ser tudo recolhido na usina”, disse ele. “A dúvida é se esses dois sistemas não criam situação de evasão fiscal. Porque uma coisa é controlar distribuidoras, já que as cinco principais têm mais de 90% do mercado, o que facilita a fiscalização. Mas controlar a usina é diferente, já que são 380 no Brasil”.

A outra questão que causa dúvidas, diz Jardim, é a possibilidade de mudança nos contratos de postos de bandeira. “A MP cria a possibilidade de um posto de bandeira, ou seja, o tipo cuja marca indica a distribuidora de origem, vender produto de outra distribuidora”, afirma. “O consumidor precisa ficar atento a isso para ter cuidado com qualidade. Quando entra em um posto, imagina que é produto da origem da bandeira. Mas e se não for? Como discrimina?”.

O deputado afirmou que essas duas questões serão analisadas com cuidado, mas que há apoio à permissão para que produtores ou importadores de etanol vendam o produto diretamente aos postos, sem necessidade da intermediação de distribuidoras. “A venda direta deve ter apoio quase unânime. A discussão será sobre tributação e postos de bandeira”, coloca.

A questão deve começar a ser debatida imediatamente, diz ele, e agora é preciso saber quem será o relator da matéria.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).