As vendas de diesel pelas distribuidoras de combustíveis no Brasil subiram 3% em 2019 ante o ano anterior, para 57,3 bilhões de litros, em seu quarto avanço anual seguido, em meio a um aumento de fluxo de veículos nas estradas, informou a agência reguladora do setor ANP.

O fluxo acumulado de veículos nas estradas pedagiadas cresceu 3,6% no acumulado do ano passado, com avanço de 3,5% no caso de veículos leves e de 4,1% no de veículos pesados, disse a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), citando dados do setor.

Já em dezembro, as vendas de diesel (combustível mais vendido do Brasil) somaram 4,3 bilhões de litros, uma mínima mensal no ano, com queda de 2,76% ante o mesmo mês de 2018 e um recuo de 10,86% em relação a novembro.

No acumulado de 2019, a importação do país somou 13 bilhões de litros do combustível —neste caso, sem a adição de biodiesel—, alta de 11,66% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

As vendas de gasolina C, por sua vez, caíram 0,49% no ano passado, ante o ano anterior, para 38,2 bilhões de litros, enquanto as de etanol hidratado —seu concorrente nas bombas—tiveram expansão de 16,30%, para 22,5 bilhões de litros.

“Esse movimento pode ser explicado pela vantagem competitiva do biocombustível em relação ao combustível fóssil, que persistiu de abril de 2018 a janeiro de 2020”, afirmou a ANP.

Foi a segunda queda anual consecutiva nas vendas de gasolina C pelas distribuidoras.

Já as vendas de gasolina C em dezembro somaram 3,6 bilhões de litros, alta de 3,09% na comparação com o mesmo mês de 2018 e avanço de 10,66% em relação a novembro.

As vendas de etanol hidratado em dezembro registraram 2,14 bilhões de litros, alta de 4% em relação ao mesmo período de 2018 e avanço de 7,86% ante novembro.

“É importante ressaltar que a relação de preços médios entre etanol hidratado e gasolina C se manteve abaixo de 70% durante todo o ano de 2019, dando continuidade à vantagem competitiva do etanol hidratado iniciada em abril de 2018.”

Considerando todos os combustíveis, o consumo no Brasil em 2019 somou 140,1 bilhões de litros, alta de 2,92% em relação ao ano anterior.

ETANOL SE DESTACA
A União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) destacou em nota nesta terça-feira um recorde histórico de consumo de etanol no Brasil em 2019, da ordem de 32,8 bilhões de litros (considerando hidratado e anidro), registrando alta de 10,5% em relação a 2018.

“Esses números colocam o Brasil na dianteira da sustentabilidade, uma vez que o etanol de cana emite 90% menos gases causadores de efeito estufa (GEE) em comparação a gasolina, sendo um dos maiores mercados consumidores de combustíveis renováveis do mundo”, afirmou a Unica.

A manutenção de um contexto externo favorável para ampliação das vendas de biocombustível possibilitou ao Brasil consumir 2,74 bilhões de litros de etanol a cada 30 dias durante o último ano —a maior média de vendas mensais já registrada em toda série histórica, disse a Unica.

“Por consequência, a participação do etanol (hidratado e anidro) na matriz de combustíveis utilizados pela frota de veículos de passeio e de carga leve (Ciclo Otto – em gasolina equivalente) atingiu 48,3%, a maior desde 2009 no Brasil”, segundo a entidade dos produtores do centro-sul.

O etanol hidratado é utilizado pelos veículos flex, enquanto o anidro é misturado à gasolina no Brasil.

Fonte: Grupo IDEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Gasolina cai 7,1% em abril após um mês de isolamento social; diesel cede 5,4%

Apesar da redução, preço dos combustíveis ainda está bem abaixo da queda praticada pela Petrobras nas refinarias, que já chega a 50%

Petróleo fecha em alta de mais de 4%; WTI volta a US$ 40

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta nesta quarta-feira, 16,…

Preço médio da gasolina nas bombas sobe quase 5% e encerra 2019 em R$ 4,55 por litro, segundo ANP

No fim de 2018, litro custava em média R$ 4,34. No ano, etanol foi o combustível que sofreu o maior reajuste, com alta de 11,5%.