Volkswagen deve adotar o etanol como fonte de eletrificação no Brasil

Foto: Divulgação

A Volkswagen não para de retomar o assunto da eletrificação e do uso do etanol. Como o Brasil está atrasado na corrida pelos carros totalmente elétricos, que hoje são distantes da realidade do consumidor, a marca alemã vai atrás da Toyota e pretende ter o seu sistema híbrido flex. E a solução da marca alemã pode vir de uma versão do Jetta de 2012. Apresentado no Salão de Detroit daquele ano, ele não chegou a ser um sucesso de vendas, tanto que a atual geração não tem versão híbrida.

Na ocasião, o sedã ganhou, nos Estados Unidos, uma versão eletrificada que combinava o conhecido motor 1.4 TSI turbo a gasolina a um pequeno propulsor elétrico – com potência equivalente a 27 cv – montado entre o motor a combustão e o câmbio. Este último, de sete marchas e dupla embreagem. O conjunto, então, garantia bom desempenho nas acelerações e médias de consumo muito interessantes.

O Jetta Hybrid, assim, dispunha de 170 cv e 25,5 mkgf de torque. O suficiente para arrancar de zero a 100 km/h em 8 segundos. Além disso, fazia boas médias de 17,8 km/L, na cidade, e de 20,4 km/L, na estrada. Ou seja, é exatamente o conjunto ideal para a Volkswagen equipar modelos como o SUV Taos e sua futura versão picape, a Tarok.

Em resumo, assim como na Audi, que trabalha com o sistema híbrido-leve em SUVs como o Q5 e Q5 Sportback, por exemplo, a Volkswagen tem um sistema semelhante. O Jetta norte-americano da época já dispunha da tecnologia do jipão das quatro argolas. Ou seja, usava apenas eletricidade quando o acelerador era liberado a velocidades até 135 km/h.

Durante evento para a imprensa nacional nesta quarta-feira, 28, o presidente da Volkswagen do Brasil e América Latina, Pablo Di Si, assumiu a aposta em etanol rumo a mobilidade sustentável no mercado nacional. “Não adianta olhar só para o escapamento do veículo, é preciso entender o sistema como um todo”, ressalta o executivo. Ele faz menção à poluição gerada pelos carros elétricos quando se leva em consideração toda a cadeia.

De acordo com pesquisa da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), enquanto um carro elétrico emite 54 gCO2/km, um veículo flex-fuel fica em 37 gCO2/km. Para o CEO da instituição, Evandro Gussi, hoje, o carro mais básico abastecido com etanol no Brasil é mais limpo do que qualquer carro elétrico europeu. Ele defende que a equação não é carro elétrico versus etanol. E sim carro elétrico mais etanol.

“O processo de eletrificação traz algumas vantagens e ganhos de eficiência em relação ao motor à combustão. Mas é preciso resolver o problema da geração de energia elétrica. Se a minha geração de energia elétrica não é limpa, com baixa emissão de carbono, eu não resolvi o problema”, explicou Gussi. “O problema é o aquecimento global, não local”.

A hora é agora

Enquanto o mundo está rumando para a eletrificação, a Volkswagen do Brasil continuará investindo em motores com combustão interna. Para Di Si, essa é a única saída para uma região sem infraestrutura para carros elétricos, como o Brasil. Ele defende que, de antemão, é fundamental entender a estratégia complementar de etanol e outros biocombustíveis de energia limpa para fortalecer a “descarbonização” do planeta por meio da baixa emissão de CO2.

“O Brasil não precisa gastar bilhões (de reais) com infraestrutura e subsídios para carros elétricos, tirando de áreas como Saúde e Economia, sendo que tem a solução do etanol”, argumenta Di Si. “Até a Fórmula 1 está fazendo uso (do etanol). A hora é agora”, destaca.

Entretanto, o presidente – que já aposta na exportação dessa nova tecnologia – não detalha a nova estratégia. O que se sabe é que o etanol será aproveitado no processo de eletrificação do mercado nacional, mas não se sabe como ou em quais produtos.

Ganho de produtividade da cana-de-açúcar

Com o lançamento da tecnologia de motorização flex, lançada pela Volkswagen do Brasil em 2003, a produção do etanol cresceu quase 100% em dez anos. E a meta é aumentar ainda mais.

Com a visão de que o etanol é um dos principais agentes de descarbonização do planeta, o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) proporciona há mais de 50 anos ganhos de produtividade e redução de custos para o produto. Por meio de laboratórios e campos experimentais, o CTC é a única empresa de biotecnologia voltada para soluções e aperfeiçoamento da cana-de-açúcar no mundo. Em suma, o trabalho consiste em aumento de proteção contra insetos, mato e doenças.

No futuro, a instituição quer gerar plantações por meio de sementes sintéticas. Isso aumentará a produtividade sem a necessidade de expansão da área plantada. “A cana-de-açúcar é a cultura comercial com a maior produção de biomassa e capacidade de captura de carbono global. A contínua introdução de novas tecnologias tem contribuído para transformar as usinas em indústrias da sustentabilidade”, afirmou o CEO do CTC, Gustavo Leite.

Aposta em 1.0 turbo híbrido

A substituição da gasolina por etanol entre 2020 e 2035 representará a redução de 1 bilhão de toneladas de CO2, segundo cálculos da Unica. E é justamente de olho nisso que a Volkswagen pode, então, lançar aquela que é a sua principal aposta de mercado: um sistema menor, com o motor 1.0 TSI flexível e outro motor elétrico. Juntos, ambos podem entregar cerca de 130 cv. Este sistema deve equipar Polo, Virtus, Nivus e T-Cross a partir de 2024.

Em síntese, a meta da Volkswagen é, de fato, criar carros eletrificados movidos a etanol, oferecendo tecnologia similar ao híbrido flex da Toyota. Contudo, não se sabe se pode ser um sistema híbrido ou um elétrico com motor gerador a etanol. Este último, inclusive, justificaria o investimento da VW em carregadores elétricos no Brasil, junto com Audi e Porsche (do mesmo grupo). Há ainda a tecnologia da Nissan, com elétrico movido a célula de etanol, que representa mais uma possibilidade.

Desta maneira, a Volkswagen faz a mesma leitura da Toyota, que não vê o fim dos carros com motores a combustão antes de 2050 – por apostar em híbridos. De acordo com Di Si, pode haver novidades já no mês que vem, quando a matriz e o grupo brasileiro pretendem definir os próximos passos em reunião presencial. O encontro, porém, depende da pandemia.

Vagner Aquino

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).