Zema rebate governo federal por alta na gasolina: ‘Culpa não é do ICMS nem do governo do estado’

Por meio das redes sociais, o governador Romeu Zema (Novo) apontou motivos para "isenção de culpa" no aumento dos combustíveis.

O governador Romeu Zema (Novo) publicou, na manhã desta sexta-feira (27), uma série de posts justificando uma possível “isenção de culpa” do estado no aumento dos preços dos combustíveis e rebateu o governo federal.

As publicações surgem em meio a falas polêmicas do presidente Jair Bolsonaro, que nos últimos dias culpou os gestores estaduais pela alta na gasolina e no gás, alegando que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos estados é que encarece os combustíveis.

Segundo Zema, “não houve nem haverá aumento” de impostos em sua gestão, e o ICMS dos combustíveis em Minas é “o mesmo desde 2018, quando a gasolina era R$ 4”.

Na postagem seguinte, o governador afirmou que o ICMS do etanol em Minas é o “segundo menor do Brasil” e que “a culpa do aumento dos combustíveis não é do ICMS nem do governo do estado”.

Zema também disse que Minas Gerais é um estado que deve mais do que recebe, alegando que a privatização de estatais mineiras poderia “possibilitar espaço para a redução de impostos”.

Sobre a destinação do ICMS, o gestor disse que 25% vai para 853 prefeituras, que o utilizam na saúde primária, educação básica e serviços, e, com o restante, “o Estado paga hospitais, mantém a educação, financia obras, segurança, salários, remédios e tudo mais sob sua responsabilidade”.

Composição dos preços — Foto: Economia G1

Composição dos preços — Foto: Economia G1

O governador ainda concluiu dizendo que “ao invés de perder tempo com discussões como o aumento do Fundão Eleitoral, Brasília deveria debater a reforma tributária e um novo pacto federativo que permitisse facilitar a redução de impostos”.

Ao todo, foram dez publicações em sua conta no Twitter, para “deixar algumas coisas claras” sobre o preço dos combustíveis no estado.

Romeu Zema publica tweets sobre aumento dos combustíveis. — Foto: Reprodução

Romeu Zema publica tweets sobre aumento dos combustíveis. — Foto: Reprodução

Secretaria de Fazenda também comenta

A Secretaria de Fazenda de Minas Gerais (SEF/MG) também divulgou uma nota sobre a composição dos preços dos combustíveis no estado.

De acordo com a pasta, “o ICMS de Minas Gerais não sofreu reajustes”, sendo o mesmo, desde janeiro de 2018, em relação à gasolina e ao etanol, e, desde janeiro de 2012, em relação ao diesel.

“É importante deixar claro ainda que os últimos reajustes nos valores dos combustíveis não se devem ao ICMS, mas, sim, à política de preços adotada pela Petrobras”, afirmou a postagem da Secretaria de Fazenda.

Petróleo fecha em alta com foco em restrição de oferta, apesar de dólar forte

O petróleo fechou em alta nesta terça-feira, 26, com o foco dos investidores voltado para a crise energética que tem elevado o preço do barril recentemente. A demanda pela commodity aumentou com a reabertura econômica e também devido à escassez de gás natural no mercado. No entanto, a oferta não tem sido capaz de compensar a maior procura.

Caminhoneiros protestam em rodovia no Pará contra reajustes do diesel

Caminhoneiros bloquearam parcialmente a rodovia BR-316, na região metropolitana de Belém, na manhã desta terça-feira (26). Dentre as reivindicações dos manifestantes, está a política de preços do óleo diesel no país.

Gestores de dinheiro estão jogando seu peso por trás da alta do preço do petróleo

A perspectiva de o petróleo Brent chegar a US $ 90 por barril está se tornando cada vez mais realista, e o West Texas Intermediate ontem atingiu o nível mais alto desde 2014. Isso está alimentando um forte sentimento de alta no mercado de petróleo.